Coimbra  17 de Abril de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Fundação ADFP acolhe em Coimbra a Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson

18 de Maio 2023 Jornal Campeão: Fundação ADFP acolhe em Coimbra a Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson

Os doentes de Parkinson da região de Coimbra terão agora o apoio próximo da Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson, graças à Fundação ADFP, que cedeu instalações no Centro Harmonia/Centro Intergeracional Mondego, na freguesia de S. Martinho.

A Fundação ADFP procura apoiar instituições de reconhecido mérito para que mais pessoas possam beneficiar da assistência de que precisam. Além de investir em pessoas, a Fundação ADFP apoia instituições com recursos escassos que necessitam melhorar a qualidade de vida.

Em Coimbra, apoia, por meio da cedência de instalações, a instalação da Refood, no seu trabalho de apoio alimentar, e a Associação Nacional de Direito do Consumo. Essas duas organizações estão gratuitamente instaladas na Casa Dignidade, junto ao Parque Verde da Cidade, propriedade da Fundação ADFP.

Na Casa Dignidade, a Fundação ADFP fornece diariamente refeições a pessoas em situação de sem-abrigo, sem qualquer apoio da Segurança Social, uma acção da instituição para auxiliar as pessoas mais marginalizadas da sociedade.

A assinatura do protocolo de cooperação entre a Fundação ADFP e a APDPk ocorreu no Centro Intergeracional do Mondego/Centro Harmonia, da Fundação ADFP, em Coimbra e contou com a presença de Rui Camilo, secretário da Direcção Nacional da APDPk; Jorge Carvalho, colaborador da APDPk; Jaime Ramos, presidente do Conselho de Administração da Fundação ADFP; Fausto Correia, professor coordenador da Universidade Sénior do Mondego; e Lara Guardão, directora Técnica do CIM/ Centro Harmonia.

A APDPk – Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson foi oficialmente constituída por escritura pública em 14 de Abril de 1984 e reconhecida como IPSS em 7 de Julho de 1999. Ela é membro da EPDA – European Parkinson’s Disease Association e da WPDA – World Parkinson’s Disease Association.

Com cerca de 20 mil doentes estimados em Portugal, a APDPk actualmente conta com cerca de 1.000 associados. Alguns dos principais objectivos da associação são defender os interesses legítimos dos doentes de Parkinson, oferecer aconselhamento individual presencial, por telefone e online através de pessoal especializado, prestar assistência domiciliária (visitas e fisioterapia) aos membros mais necessitados, promover encontros e eventos para os associados e organizar actividades lúdicas, terapêuticas e culturais.

A colaboração entre a Fundação ADFP e a APDPk será baseada não apenas na cedência de instalações, mas também no intercâmbio de conhecimentos e competências técnicas e científicas. Haverá colaboração na realização e promoção de actividades de formação geral, pós-graduação, colóquios, seminários, conferências e eventos similares na área da saúde. As publicações, comunicações e documentos relacionados às actividades científicas e clínicas realizadas conjuntamente mencionarão que são resultado da colaboração entre as duas entidades.

Para além de tudo isto, irá ser promovida a partilha de espaços e materiais para benefício dos associados de ambas as instituições, utilizando a sala multiusos e gabinete no Centro Intergeracional do Mondego – Harmonia, propriedade da Fundação ADFP, às segundas e quintas-feiras, das 15h às 19h, para actividades clínicas físicas (como por exemplo, a fisioterapia), e não clínicas (pilates, yoga, etc.).

Os Associados da APDPk terão acesso a um desconto na frequência das aulas da Universidade Sénior Mondego, que decorrem neste mesmo espaço da cidade de Coimbra. Também a comunidade escolar (alunos e professores) da Universidade Sénior do Mondego, poderá beneficiar das actividades da APDPk, obtendo um desconto nas mesmas.

A APDPk pretende também aumentar a sua divulgação nos CHUC – Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, tendo como principal parceiro o Centro Harmonia da Fundação ADFP.

Outro dos objectivos será também a divulgação do Projecto “I Can Music” uma bengala terapêutica que servirá para provar o benefício da terapia e actividade música para os doentes de Parkinson, reactivando assim um estudo piloto.