Coimbra  31 de Maio de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Filho de António Arnaut apela à defesa do SNS

11 de Novembro 2018 Jornal Campeão: Filho de António Arnaut apela à defesa do SNS

 Marta Brinca, Carlos Cidade, Pedro Coimbra, António Manuel Arnaut e Manuel Machado

Um filho do criador do Serviço Nacional de Saúde (SNS) apelou, hoje, aos deputados à Assembleia da República que honrem “o legado” de António Arnaut.

O apelo ocorreu durante uma homenagem, a título póstumo, prestada ao antigo ministro dos Assuntos Sociais, em Coimbra, pelo PS local, em cuja sede foi descerrada uma lápide evocativa daquele co-fundador do partido.

Para o advogado António Manuel Arnaut, “honrar o legado” do outrora governante é defender que o SNS não seja limitado a um papel de complementaridade em relação à iniciativa privada.

Ao expressar preocupação face ao desempenho de um grupo de trabalho coordenado pela ex-ministra Maria de Belém Roseira, o jurista foi aplaudido por dezenas de camaradas e saudado pela anterior presidente da APRe – Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados, Maria do Rosário Gama, e pela ex-deputada Teresa Alegre.

“(…) poderão descerrar as lápides que quiserem, mas a melhor homenagem [ao criador do SNS] consiste em cumprirmos o legado que ele nos deixou”, afirmou António Manuel, que vincou a “matriz de Esquerda” do Partido Socialista.

Por ocasião do funeral de António Arnaut, há meio ano, o líder do PS e primeiro-ministro evocou o “exemplo cívico e moral” do antigo ministro dos Assuntos Sociais, cujo nome, disse António Costa, é “indissociável da criação do Serviço Nacional de Saúde”.

“Uma nova Lei de Bases da Saúde para defender a democracia” é o pós-título de um livro a preconizar a revisão do valor e das modalidades do financiamento do SNS, obra da autoria de António Arnaut e João Semedo (ambos falecidos).

Trata-se, segundo eles, da defesa do Serviço Nacional de Saúde “universal e gratuito, de gestão integralmente pública, cuja prestação de cuidados obedeça a padrões de qualidade e humanidade e que se relacione com as iniciativas privadas e sociais na base da complementaridade e não da concorrência”.

“Todo o fruto é vontade da semente” pode ler-se na lápide destinada a perpetuar a memória de António Arnaut na sede do PS/Coimbra, a cujo descerramento assistiram, por exemplo, Pedro Coimbra, Nuno Moita, Manuel Machado, Carlos Cidade e João Paulo Almeida e Sousa.

Ao aludir à obra do antigo ministro dos Assuntos Sociais, o líder distrital do PS/Coimbra, Pedro Coimbra, disse que António Arnaut foi “um grande político, advogado e escritor e, sobretudo, um exemplar cidadão”.

“É importante que os socialistas – e, em geral, os portugueses – não percam a memória”, afirmou Manuel Machado, presidente da Câmara de Coimbra e líder da Associação Nacional dos Municípios Portugueses.