Coimbra  12 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Figueira da Foz vai mudar toda a iluminação pública do concelho para lâmpadas ‘led’

6 de Abril 2021 Jornal Campeão: Figueira da Foz vai mudar toda a iluminação pública do concelho para lâmpadas ‘led’

O Município da Figueira da Foz vai mudar para lâmpadas ‘led’ toda a iluminação pública do concelho, um projecto de 8,4 milhões de euros que deverá estar concluído em 2022.

Segundo o projecto, ontem (05) aprovado em reunião da autarquia, o Município prevê trocar as 22 500 luminárias públicas das 14 freguesias por outras com tecnologia ‘led’, mais eficiente e com menor consumo, o que representará uma poupança anual de 890 000 euros na despesa corrente municipal.

Para tal, o Executivo irá contratualizar um empréstimo bancário no valor de 7,9 milhões de euros, a pagar a 10 anos (830 000 euros por ano), o que, segundo dados avançados, ontem (05), à agência Lusa pelo presidente da Câmara Municipal, Carlos Monteiro, será amortizado com a poupança gerada na factura de energia.

Actualmente, a Câmara Municipal da Figueira da Foz gasta cerca de 1,3 milhões de euros anuais com o consumo da iluminação pública, valor que, com a concretização do projecto, cairá para cerca de 400 000 euros.

No entanto, face à necessidade de amortizar o empréstimo, nos primeiros 10 anos a poupança gerada será de 60 000 euros anuais, sendo esta a diferença entre os 890 000 euros a menos na factura de energia e os 830 000 euros necessários ao pagamento à entidade bancária.

“Hoje pagamos o que pagamos porque temos luminárias desligadas. Com a tecnologia ‘led’ podem estar todas ligadas a consumir muito menos e com muito mais eficiência energética”, sublinhou o autarca.

Carlos Monteiro definiu o projecto como uma “revolução” ao nível da iluminação pública, argumentando que o Município tem vindo a trabalhar nesta solução há cerca de oito anos e lembrando que ele foi precedido de um projecto-piloto na freguesia ribeirinha de Vila Verde, orçado em cerca de 400 000 euros e já concluído.

“Sabemos exatamente o que é que queremos, a nível de equipamentos e de gestão do sistema. Vamos ter uma temperatura de cor de 2800k [um branco quente] que pode baixar um bocadinho, por exemplo, nas praças”, exemplificou.

“Vamos melhorar a iluminação e reduzir em 18 500 toneladas os gases de efeito de estufa”, adiantou.

O sistema a instalar permite controlar a intensidade da luz produzida e inclui diversos sensores que possibilitam, entre outros, “saber na hora quando uma luminária se funde e substituí-la”, controladores de tráfego ou suporte para comunicações 5G.

“Quando o sol se põe tem logo uma iluminação forte, que depois até pode reduzir de intensidade durante a noite quando não há ninguém na rua”, apontou.

A presidente da autarquia estima que o novo sistema possa estar em funcionamento nos primeiros meses de 2022. Após o visto do Tribunal de Contas, concurso público e adjudicação, serão “quatro ou cinco meses para substituir as 22 500 luminárias, estimamos cerca de 5 000 por mês”, frisou.

O projecto foi aprovado por maioria, com a abstenção do vereador do PSD, Ricardo Silva, que criticou a contratualização do empréstimo de 7,9 milhões de euros a poucos meses das eleições autárquicas.