Coimbra  25 de Outubro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Figueira da Foz: Trabalhadores da hotelaria e restauração exigem aumentos salariais

20 de Agosto 2021 Jornal Campeão: Figueira da Foz: Trabalhadores da hotelaria e restauração exigem aumentos salariais

Trabalhadores do sector de hotelaria e restauração desfilaram, ontem (19), em frente a restaurantes e hotéis pela Avenida 25 de Abril, na Figueira da Foz, e exigiram aumentos salariais e a reposição dos direitos laborais.

“Estamos a sair à rua, tendo em conta que consideramos necessário transmitir um sinal de confiança e ao mesmo tempo de esclarecimento, aos trabalhadores, sobre as situações que estão a passar no período de pandemia”, disse António Baião, do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro.

Durante a manhã de quinta-feira (19), dirigentes e delegados sindicais dos seis distritos representados por este sindicato reuniram-se para abordar questões de acção reivindicativa, bem como a situação da contratação colectiva.

O dirigente sindical, que falava junto à Torre do Relógio, onde os trabalhadores se concentraram a exigir os “aumentos salariais”, referiu que muitos destes profissionais em período de pandemia “foram logo os primeiros a serem prejudicados, muito deles com contratos a prazo, inclusive funcionários em situação de clandestinidade do seu vínculo laboral”.

“O que aconteceu é que muitas destas empresas, porque já tinham dificuldades antes da pandemia, não foram elegíveis sequer para meter os trabalhadores em ‘lay-off’, porque tinham dívidas às finanças e segurança social”, referiu.

“Estes trabalhadores foram duplamente penalizados. Não conseguiram ir para ‘lay-off’, a sua maioria, e ao mesmo tempo ficaram sem salário para fazer face às suas despesas”, sublinhou.

António Baião falava aos jornalistas sobre o motivo pelo qual se queixam os empresários, a “falta de mão de obra”, que se deve aos “baixos salários” e aos “horários desregulados”.

“Não se valoriza os trabalhadores deste sector e ao mesmo tempo o que se faz é pagar baixos salários e fazer exploração máxima em termos de ritmos de trabalho”, concluiu.

Baião disse ainda que o Governo “tem uma grande palavra a dizer” sobre a situação no sector.