Coimbra  22 de Setembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Figueira da Foz: Mais de cinco milhões de prejuízos na área portuária

16 de Outubro 2018

A passagem da tempestade Leslie pela área portuária da Figueira da Foz provocou prejuízos superiores a cinco milhões de euros, de acordo com um levantamento preliminar dos danos hoje concluído, disse o administrador do porto.

Em declarações à agência Lusa, Luís Leal, da Administração do Porto da Figueira da Foz (APFF), estimou os prejuízos entre os cinco e os seis milhões de euros, quer em infraestruturas públicas adstritas à actividade portuária, quer em empresas e associações instaladas na área de domínio público marítimo.

De acordo com Luís Leal, os danos nas áreas públicas do cais comercial e porto de pesca, nomeadamente em infraestruturas de iluminação – “que foi toda danificada” -, vedações, passadiços da marina de recreio, edifícios-sede da APFF e dos Pilotos da Barra ou os “telhados e portões” dos armazéns de artes ligadas à actividade piscatória, entre outros, ascendem a 570 000 euros.

A empresa concessionária da operação portuária estima os prejuízos em cerca de 1,3 milhões de euros – incluindo nestes danos duas gruas que operam em carril e que ficaram totalmente destruídas – enquanto o concessionário do terminal de contentores apurou danos de um milhão de euros, disse Luís Leal.

De acordo com o levantamento preliminar – que não inclui ainda os prejuízos sofridos nas instalações da Docapesca (lota e armazéns de pescado), terminal de asfalto instalado na margem direita do rio Mondego, a montante da ponte e empresas de aquacultura -, os estaleiros navais tiveram prejuízos estimados superiores a 800 000 euros, um valor idêntico ao das duas empresas conserveiras que laboram junto ao porto de pesca, na margem sul do Mondego.

Já a cooperativa de produtores de peixe Centro Litoral, também instalada no porto de pesca, terá sofrido prejuízos de 500 000 euros e o parque de campismo do Cabedelo – onde quatro ou cinco campistas ficaram feridos aquando da passagem do furacão Leslie – indicou danos de 200 000 euros, sem incluir neste valor as cerca de 80 rulotes que ficaram destruídas ou danificadas e que são propriedade dos seus utilizadores.

Já os inquilinos da zona da marina, onde se inclui um pavilhão de remo e as instalações do clube náutico, reportaram prejuízos de cerca de 100 000 euros e o Tennis Club da Figueira da Foz, localizado perto da foz do rio, cerca de 120 000 euros.

“Grosso modo serão entre cinco a seis milhões de euros de prejuízos, garantidamente mais de cinco milhões”, afirmou Luís Leal.

O administrador portuário garantiu que o porto comercial “está a funcionar, embora com restrições”, não só reflexo dos danos sofridos pelos operadores, mas em especial “devido à greve” dos estivadores que se mantém às terças e quintas-feiras.

“Um mal nunca vem só, é um velho ditado. Hoje é um dos dias exemplares, porque independentemente disto tudo mantém-se a greve”, lamentou Luís Leal.

O distrito mais afectado pelo Leslie foi o de Coimbra, onde a tempestade, com um “percurso muito errático”, se fez sentir com maior intensidade, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Na Figueira da Foz, uma rajada de vento atingiu os cerca de 176 quilómetros por hora no sábado à noite, valor mais elevado registado em Portugal, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com