Coimbra  25 de Fevereiro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Figueira da Foz: Câmara explica abate de árvores em Buarcos

23 de Agosto 2018

A Câmara da Figueira da Foz esclareceu, hoje, não ser compatível “a manutenção de cerca de uma dezena de árvores” com o projecto de requalificação da frente marítima de Buarcos.

“A compatibilização paisagística é quase total, promovendo-se a plantação de mais de 230 árvores em toda a área. Ainda assim, não é compatível, em situações pontuais, a manutenção de cerca de uma dezena de árvores”, refere a autarquia, em comunicado.

Os motivos para esta incompatibilidade são a sua situação fitossanitária e “casos excepcionais de localização”, não tendo as árvores condições para permanecerem no local, acrescenta.

Este esclarecimento da Câmara da Figueira da Foz surge na sequência de protestos contra o abate previsto de 16 árvores – faias, plátanos e outras espécies – localizadas em dois espaços ajardinados em frente à estação dos CTT e do mercado municipal da vila de Buarcos, e que foram marcadas com cruzes vermelhas.

A autarquia refere que o comunicado hoje emitido, no qual dá a conhecer a sua “posição final”, surge “após reunião com a equipa técnica que, superiormente, coordena e supervisiona a obra em causa”, e “apreciação e análise das alegações por parte das várias forças partidárias, do movimento Parque Verde e de um grupo de moradores que, espontaneamente, se organizou para manifestar o apoio à obra de Buarcos”.

A Câmara da Figueira da Foz explica que o projecto de requalificação da frente marítima de Buarcos “assenta, desde sempre, em critérios de compatibilização urbana e simbólica relativamente às preexistências mais significativas”.

Segundo a autarquia, “a manutenção e reforço de toda a estrutura verde existente serviu de base aos critérios de organização espacial, nomeadamente a valorização do Jardim Dr. Fernando Traqueia e de todas as áreas verdes” que o envolvem.

“Sendo um projecto que assenta num princípio de valorização e aumento dos espaços pedonais e verdes, invertendo totalmente o rácio actual de áreas automóveis versus áreas verdes e pedonais, oferece-se aos últimos uma área de 70 por cento do total intervencionado, quando era de 30 por cento”, refere.

A autarquia considera que “é de louvar o empenho e atenção da população para esta obra, no sentido de evitar situações pontuais não previstas em projecto, relativamente ao coberto vegetal da zona”, e garante que, juntamente com a equipa projectista, continuará “a fazer a conveniente monitorização da obra, assegurando o mínimo de abates necessários”.

“Embora se verifiquem apelos no sentido de confortar uma posição mais radical, em benefício de alegados problemas de qualidade do ar e saúde, consideramos que o justo equilíbrio entre as duas propostas será o mais consentâneo com a actualidade”, sublinha.

No entanto, “verificados os alegados malefícios, não se deixará de ponderar a necessária intervenção”, assegura.

Por agora, a autarquia está convicta de que “a preservação possível da mancha arbórea é digna de respeito, sem embargo do futuro, com espaço verde consolidado, apelar a outros ajustamentos”.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com