Coimbra  16 de Julho de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Figueira da Foz: Boaventura de Sousa Santos abre 5as de Leitura de 2019

2 de Janeiro 2019

A primeira sessão do ano 2019 das “5as de Leitura”, a realizar dia 17 de Janeiro, pelas 21h30, na Biblioteca Municipal da Figueira da Foz, conta com a presença do sociólogo Boaventura de Sousa Santos.

Director do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e coordenador científico do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa, Boaventura de Sousa Santos é professor catedrático jubilado da Faculdade de Economia da UC e ‘distinguished legal scholar’ da Universidade de Wisconsin-Madison. Foi, também, ‘global legal scholar da Universidade de Warwick e professor visitante do Birkbeck College da Universidade de Londres.

De 2011 a 2016, dirigiu o projecto de investigação “ALICE – Espelhos estranhos, lições imprevistas: definindo para a Europa um novo modo de partilhar as experiências o mundo”, financiado pelo Conselho Europeu de Investigação (ERC), um dos mais prestigiados e competitivos financiamentos internacionais para a investigação científica de excelência em espaço europeu.

Boaventura de Sousa Santos tem escrito e publicado extensivamente nas áreas de sociologia do direito, sociologia política, epistemologia, estudos pós-coloniais, e sobre os temas dos movimentos sociais, globalização, democracia participativa, reforma do Estado, direitos humanos, com trabalho de campo realizado em Portugal, Brasil, Colômbia, Moçambique, Angola, Cabo Verde, Bolívia e Equador. Os seus trabalhos encontram-se traduzidos em espanhol, inglês, italiano, francês, alemão, chinês, romeno e dinamarquês.

Também a escrita de poesia tem acompanhando o labor do académico e intelectual público, tendo-se estreado com “Antologia de poesia universitária” (Lisboa: Portugália, 1962). Seguiram-se mais de uma dezena de obras, como “Escrita INKZ: anti-manifesto para uma arte incapaz” (Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004), uma obra que começa com um “Desfácio” e “Rap global”, 90 páginas de poesia rap (rapoesia), que deveria ser lida “tendo no ouvido o ritmo da música rap”.

 

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com