Coimbra  24 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Festival de jazz em Coimbra promove encontro entre músicos portugueses e franceses

12 de Outubro 2020 Jornal Campeão: Festival de jazz em Coimbra promove encontro entre músicos portugueses e franceses

A 18.ª edição dos Encontros Internacionais de Jazz de Coimbra, que decorre de dia 23 até ao dia 31, vai organizar 12 concertos, com o primeiro fim-de-semana dedicado a um encontro entre músicos portugueses e franceses.

O primeiro fim-de-semana do festival vai ser “exclusivamente dedicado ao ‘TriCoimbra: Luso-French Extravaganza'”, um encontro que vai proporcionar “múltiplos cruzamentos” do colectivo francês Tricollectif com músicos portugueses, anunciou hoje o Jazz ao Centro Clube, entidade que organiza o evento.

A 23, 24 e 25, esse encontro de 14 músicos portugueses e franceses vai ser promovido em oito concertos em diferentes espaços da cidade, com vários tipos de formações e géneros, sendo a maior um septeto que irá actuar no dia 24, no Salão Brazil.

No último fim-de-semana de Outubro e do festival, é apresentado, a 30, um concerto do compositor e baterista Mário Costa, no Teatro Académico de Gil Vicente, com “Oxy Patina”, álbum lançado em 2018, sendo que no mesmo dia é apresentado o trio Simorgh, composto por João Lobo, Norberto Lobo e Soet Kempeneer.

O dia de encerramento começa com um concerto do duo Burnt Friedman e João Pais Filipe, na Oficina Municipal do Teatro.

O festival termina com o projecto Quang Ny Lis, um trio que poderia ser “um de muitos a dedicar-se a um repertório de ‘standards’ do jazz”, mas que “tem muito mais do que se lhe diga”, salientou a organização.

‘Standards’, como “I Fall in Love too Easily” ou “I Get Along Without You Very Well”, são “revistos à luz da contemporaneidade” por Rita Maria, João Mortágua e Mané Fernandes, referiu o Jazz ao Centro Clube.

“Existindo, naturalmente, diferenças em relação a edições anteriores, patentes nas imprescindíveis adaptações à realidade pandémica, o Jazz ao Centro continua a fazer jus à ideia de “encontros”, colocando a partilha e a criação artísticas no núcleo das suas prioridades”, salientou a organização.