Coimbra  20 de Abril de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Feira Popular de Coimbra regressa sexta-feira apesar das dificuldades financeiras

28 de Junho 2022 Jornal Campeão: Feira Popular de Coimbra regressa sexta-feira apesar das dificuldades financeiras

A Feira Popular de Coimbra ainda não começou, mas vai já com saldo negativo, segundo avançou o Executivo da União das Freguesias (UF) de Santa Clara e Castelo Viegas, organizador do evento, durante a apresentação do cartaz, que decorreu esta terça-feira.

Depois de dois anos de interregno devido à pandemia covid-19, a Feira Popular regressa em 2022, entre os dias 1 e 17 de Julho.

O certame, que decorre na Praça da Canção, é considerado uma das maiores atracções de Coimbra, recebendo dezenas de expositores e milhares de pessoas para dias de muita diversão.

No entanto, este ano a União das Freguesias de Santa Clara e Castelo Viegas apresenta dificuldades acrescidas para a realização da Feira, devido à falta de apoios, tendo estado mesmo em causa a sua continuidade.

“Fomos apanhados um pouco desprevenidos porque vimos um apoio financeiro municipal reduzido”, referiu Bertília Simão. Este ano, a Câmara Municipal de Coimbra (CMC) decidiu não comparticipar com a compra da bilheteira, uma decisão que deixou os membros do Executivo da UF bastante “desapontados”. No entanto, há a possibilidade de um apoio de 15 mil euros que, segundo o presidente da UF de Santa Clara e Castelo Viegas, José Simão, vai ser ainda decidido pela CMC.

O investimento da Feira Popular é de cerca de 140 mil euros, sendo que o presidente espera colmatar o prejuízo, que referiu que vai já nos 40 mil euros, durante os 17 dias de festa. “O prejuízo vai depender da sardinha que vamos vender”, afirmou.

Contudo, a CMC vai apoiar através de serviços camarários, tais como a isenção de pagamento de taxas e prestação de apoios humanos, materiais e logísticos.

Apesar das dificuldades para a concretização da Feira deste ano, José Simão assume que a União de Freguesias vai encarregar-se das consequências financeiras que advenham do evento. “Só não queremos perder a Feira, gostamos muito dela”, sublinhou.

“Não podemos entender isto apenas como um prejuízo, porque este prejuízo é canalizado para o bem-estar das associações, artesãos, empresários, e tudo isso é importante”, referiu ainda Bertília Simão, que reforça a presença de várias instituições e particulares da região na Feira Popular para expor os seus trabalhos.

A Feira traz mais de quatro dezenas de expositores e vários artistas locais que durante os 17 dias de festa prometem movimentar a Praça da Canção.

Haverá os atractivos habituais, onde não faltam os carrosséis, carros-de-choque, este ano com a novidade da pista ser 10 metros maior, a roda gigante, animação ambulante, circo & fogo, entre muitos outros.

A área destinada à gastronomia, marcada pela forte participação e diversidade, com as colectividades da freguesia a dinamizarem aí as suas tasquinhas e apresentarem os seus trabalhos, angariando assim receita própria que lhes permite dar vida aos seus projectos, são os elementos fulcrais da realização.

A abertura do certame acontece pelas 20h00 de sexta-feira (1) e a primeira noite será animada musicalmente pelos Gaiteiros de Santa Clara. Half-Time, Hi-Fi, Kremlin, CTL de Santa Clara, Ruizinho de Penacova, 8oities, Os Red, Encontro de Marchas, Sede Bandida, Noite de Concertinas, Foles e Cantorias Sta Clara & Sons de Casconha, Dox Trio, Rockluso, Fonte, Da Pipa, 100 Remédio, Cachupa no Arraial, Grupo FBI, Gala de Kickboxing, Mc Ruze e Luís Travassos e Festa da Espuma com DJ Nuka são as atracções do evento.

A entrada é gratuita, sendo que a Feira abre todos os dias às 20h00 e encerra em vésperas de feriado e fins-de-semana às 2h00, e nos restantes dias às 00h00.