Coimbra  21 de Maio de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Falta de lampreia obriga Câmara de Penacova a cancelar festival

21 de Fevereiro 2024 Jornal Campeão: Falta de lampreia obriga Câmara de Penacova a cancelar festival

A Câmara de Penacova decidiu cancelar o Festival da Lampreia, que normalmente decorria em Fevereiro, face à escassez daquele ciclóstomo, afirmou o presidente do Município, que vai organizar um colóquio para debater o declínio da espécie em Portugal.

O Festival da Lampreia, que normalmente decorria no final do mês, foi cancelado devido à falta de lampreia, disse à agência Lusa Álvaro Coimbra, referindo que o período para a lampreia vai até Abril, mas não se prevê que haja uma grande alteração face ao cenário actual.

Em 2022, o Município foi obrigado a suspender o festival também face à escassez daquela espécie que se reproduz no rio Mondego, tendo depois realizado o certame em Abril. “Um evento gastronómico pressupõe abundância e, neste momento, a lampreia é pouca e muito cara”, aclarou o autarca.

Por aquele concelho ser conhecido como uma referência na confeção da lampreia, Álvaro Coimbra decidiu avançar com um colóquio para abordar o declínio da espécie no território português, num evento que terá também como intenção exigir medidas para que o actual cenário seja revertido.

Organizado pela Câmara de Penacova e pela Confraria da Lampreia de Penacova, em colaboração com o Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, o colóquio irá decorrer no sábado, no Auditório Municipal.

“Tendo em conta que somos conhecidos como a capital da lampreia, tínhamos de fazer alguma coisa e convidar a comunidade científica para debater esta questão”, referiu Álvaro Coimbra. Segundo o presidente da Câmara de Penacova, serão também convidadas “uma série de entidades públicas ligadas ao sector”, a quem serão apresentadas propostas de medidas para assegurar a preservação da espécie nos rios portugueses.

Álvaro Coimbra admitiu a possibilidade de se proibir a pesca da lampreia, salientando que, para o mMnicípio, “em primeiro lugar, está a preservação da espécie”.

Jorge Cota, proprietário e gerente do restaurante Cota, em Penacova, afirma que este tem sido o pior ano de que tem memória. Se em 2022, que foi um ano muito mau, tinham de vender a lampreia entre 90 e 100 euros ao cliente, este ano o preço fixa-se entre os 150 e os 160 euros por lampreia inteira, face à escassez. No entanto, não é o preço que tem afastado os clientes, mas sim a falta do peixe, notou.

Também no restaurante Boa Viagem, no Porto da Raiva, o cenário é idêntico. “Hoje, não temos nenhuma lampreia. Tivemos reservas que tivemos de desmarcar e todas as reservas que temos estão sujeitas a confirmação”, disse Irina Santos, empregada do restaurante, salientando que a procura mantém-se, mesmo com o custo de uma lampreia inteira fixado nos 150 euros.