Coimbra  24 de Fevereiro de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Faleceu António José André, do Bloco de Esquerda e dos Cidadãos por Coimbra

6 de Janeiro 2024 Jornal Campeão: Faleceu António José André, do Bloco de Esquerda e dos Cidadãos por Coimbra

O Bloco de Esquerda e o Movimento Cidadãos por Coimbra expressaram, este sábado, a sua consternação pelo falecimento de António José André.

“É com grande tristeza que informamos da morte do nosso companheiro António José André. O Tó Zé, como era conhecido por todos, foi um homem lutador e agregador de pessoas, com destaque para os mais jovens, com quem comunicava naturalmente” refere o Movimento Cidadãos por Coimbra (CpC).

“A sua participação no Cidadãos por Coimbra contribuiu muito para a sua afirmação como Movimento. Nas mais diversas iniciativas, o Tó Zé era a presença certa no local e hora combinados, trazendo os materiais necessários e o sorriso que convidava à açcão. Guardemos a sua memória e o seu exemplo, para seguirmos na luta pela cidadania plena” – refere o CpC.

Para a Comissão Coordenadora Distrital de Coimbra do Bloco de Esquerda (BE), “o Tozé – era assim que todos conheciam o António José André – foi um militante incansável de todas as causas com a marca da igualdade e da não discriminação”.

“Natural de Moçambique, o seu compromisso político iniciou-se na luta anticolonial. Já em Portugal foi activista do PSR e seu candidato em eleições legislativas. Foi fundador do Bloco de Esquerda, tendo sido responsável pela organização local de Coimbra durante muitos anos. Foi igualmente fundador e activista do Movimento Cidadãos por Coimbra e membro da sua coordenação. Mais que tudo, foi um permanente ‘juntador’ de gente e de forças para todos os combates com as marcas da emancipação e da solidariedade internacionalista, sem nunca buscar a ribalta ou a notoriedade” – refere o BE.

Professor de profissão, António José André foi divulgador de projectos musicais e literários alternativos, organizando eventos como as “Noites Catárticas”, ou animando colectivos como o “Por Mão Própria”.

“O Tozé era o rosto da militância. Neste momento em que parte, fica-nos a convicção que ele nunca deixou de partilhar: ‘La lucha sigue!’”, sustenta o BE.