Coimbra  20 de Setembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Fado de Coimbra vai ligar culturalmente 19 concelhos

13 de Julho 2018

Jorge Brito, João Ataíde, Manuel Machado, Ana Abrunhosa e Carina Gomes

 

‘À volta do fado’ é uma das propostas artísticas que integra a iniciativa “Coimbra Região de Cultura”, a qual coloca em rede os 19 municípios da Comunidade Intermunicipal (CIM) com mais de 150 espectáculos em diversas áreas.

“O fado, a canção de Coimbra, embora originária desta cidade, percorre toda a região, é transversal a todo este território, de Pampilhosa da Serra à Figueira da Foz”, sublinhou, ontem, durante a apresentação do evento, o presidente da CIM, João Ataíde, sustentando que “a cultura é o grande factor agregador das comunidades” e que este projecto visa ajudar a “promover a coesão social territorial”.

Pretendendo “homenagear o legado do fado e canção de Coimbra como património imaterial único”, sempre aliado a diversas manifestações artísticas e culturais do país, o ciclo ‘À volta do fado’ abrange eventos como ‘Fado mirado’, na Praia de Mira, em 26 de Julho, ‘Com a guitarra de Paredes’ (Coimbra, 29 de Julho), ‘Serenatas à janela’ (Arganil, 01 de Setembro), ‘Coimbra com Vitorino’ e ‘Fado pintado’ (Oliveira do Hospital e Penela, 22 e 29 de Setembro, respectivamente), prosseguindo, entre outros, como ‘Ela [com Né Ladeiras]’, ‘Sabores do fado’, ‘Fado iluminado’, ‘A madeira que se fez guitarra’, ‘Adega da canção’ ou ‘Coimbra do Zeca’ (em Góis, Miranda do Corvo, Tábua, Vila Nova de Poiares, Mealhada e Soure).

O projecto de programação patrimonial e cultural Coimbra Região de Cultura, desenvolvido pela Comunidade Intermunicipal (CIM), envolverá mais de centena e meia de iniciativas nos 19 municípios que integram a comunidade.

A proposta artística do programa, denominada ‘À volta do fado’, “cruzará o fado e a canção de Coimbra com diversas artes, saberes e sabores da cultura nacional”, integra 35 “espectáculos de fado, concertos comunitários e projectos seleccionados em convocatória aberta”, que serão maioritariamente apresentados em “espaços de relevante valor patrimonial” de toda a região.

Um festival itinerante – ‘Espírito do lugar’ –, integrando cerca de 90 espectáculos, performances e visitas guiadas, e um ciclo de programação – ‘Coimbra em rede’ –, abrangendo 25 espectáculos de música dança e instalações/performances, são outras das propostas artísticas do projecto.

Cruzando teatro, música, dança e outras artes, numa “rede de iniciativas pluridisciplinares, integrando espaços patrimoniais, museológicos, centros históricos e recintos culturais, o projecto pretende, designadamente, valorizar os patrimónios material e imaterial da região, criar novos públicos para as artes e para a cultura, potenciar “relações de pertença entre as comunidades locais e o património” e promover o turismo, sintetizou, na apresentação do programa, ontem no salão nobre da Câmara de Coimbra, o secretário executivo da CIM, Jorge Brito.

Num plano mais específico, a iniciativa também pretende criar uma rede de programação intermunicipal de espaços patrimoniais e museológicos, promover “eventos que relacionem e valorizem o património tangível e intangível” da região, desenvolver uma rede de programação que integre os espaços culturais da região e promover uma comunicação integrada, “potenciando sinergias e ganhos de escala”.

Na sessão, o presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, considerou que esta iniciativa visa, igualmente, incentivar “o sentimento de auto-estima e de pertença a esta região”, assim como “catapultar a candidatura a Capital Europeia da Cultura em 2027”.

Na apresentação da”Coimbra Região de Cultura” participaram, também, os presidentes da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Ana Abrunhosa, e da entidade Turismo do Centro de Portugal, Pedro Machado, assim como autarcas de diversos municípios da CIM, representantes de organismos como a Direcção Regional de Cultura do Centro e agentes culturais.

Antes da sessão, a iniciativa foi anunciado com um concerto de música de Coimbra em percurso, por espaços classificados Património Mundial da UNESCO, entre as Escadas de Minerva, na Universidade, e o Arco de Almedina (na “Baixa” da cidade).

Este é o primeiro de uma série de três projectos que, promovidos pela CIM, envolvem um investimento global superior a um milhão de euros, comparticipado em 85 por cento por fundos europeus, no âmbito do programa Portugal 2020.

A CIM da Região de Coimbra é integrada pelos 17 municípios do distrito de Coimbra e pelos concelhos da Mealhada e de Mortágua (distritos de Aveiro e Viseu, respectivamente).

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com