Coimbra  5 de Agosto de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Exploratório reforça linha telefónica para levar actividades a casa das famílias

9 de Abril 2020 Jornal Campeão: Exploratório reforça linha telefónica para levar actividades a casa das famílias

Num período de isolamento social e de férias escolares, o Exploratório de Coimbra decidiu reforçar a sua linha telefónica gratuita, disponível diariamente entre as 10h00 e as 18h00, para levar actividades às famílias.

Uma vez que se encontra encerrado ao público devido à pandemia de covid-19, o Exploratório – Centro de Ciência Viva de Coimbra adaptou as suas iniciativas e continua a trabalhar, via telefone, propondo aos mais pequenos e famílias, várias actividades ligadas à ciência.

A linha telefónica gratuita (800 210 093) é destinada a conversar, informar e ajudar a passar o tempo de forma educativa aos mais jovens “retidos” em casa.

“O Exploratório continua a desenvolver um conjunto de actividades não presenciais, destinadas a minimizar o impacto desta crise nos mais jovens, mantendo, assim, a continuidade da oferta a uma  parte fundamental do seu público”, revela.

O director do Centro, Paulo Trincão, sublinha que “nesta altura em que as crianças já estão mais saturadas de estarem retidas em casa, as actividades que lhes propomos funcionam como um bom escape, sendo também uma alternativa para os pais conseguirem responder da melhor forma a esse desgaste natural”.

A linha telefónica – “Quaren… quê? Estou chateado!” –, indicada para crianças e jovens até aos 11 ou 12 anos, está activa diariamente, entre as 10h00 e as 18h00.

Nestas duas primeiras semanas de funcionamento, a linha chegou a praticamente todo o país, tendo recebido telefonemas de Bragança a Faro, passando pela Madeira, a que se juntam Braga, Viana do Castelo, Porto, Santarém, Évora, Beja, Setúbal e Lisboa. Nestes contactos estão, naturalmente e desde os primeiros dias, incluídos todos os seis distritos do Centro: Coimbra, Aveiro, Castelo Branco, Guarda, Viseu e Leiria.

Relativamente aos contactos, eles são feitos por rapazes e raparigas, com uma média de idades a rondar os oito anos. De salientar, também, o contacto de algumas pessoas de idade maior.

Quanto aos miúdos, ligam, principalmente, porque “querem sugestões de actividades”, dizendo, por exemplo: “Queria fazer outra coisa qualquer porque estou farta de ver televisão e está a chover lá fora…”.

Mas os mais jovens também têm perguntas para quem está do lado de cá da linha: “Qual foi o animal que deu origem ao vírus?”, “Beber água ajuda a matar o vírus?”, “Porque temos de lavar bem as mãos?” ou “O que é preciso para fazer sabonete?”.

Outra iniciativa do Exploratório – “Juntos em casa… Fazer o quê?” – está e vai continuar a apresentar propostas de actividades para famílias através de vídeos, desafios e experiências nas diversas plataformas (página web, Facebook, Instagram, Youtube). Para isso é necessário apenas que os pais se “mantenham atentos” às publicações diárias, refere Paulo Trincão, e aceitem a interacção que é proposta às famílias de partilharem o resultado das suas experiências.