Coimbra  15 de Julho de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Estudo da Universidade de Coimbra revela que turismo académico cresceu em Portugal

20 de Junho 2024 Jornal Campeão: Estudo da Universidade de Coimbra revela que turismo académico cresceu em Portugal

© UC | Paulo Amaral

O turismo académico internacional está em ascensão em Portugal, conforme revela um estudo da Universidade de Coimbra (UC). Entre os anos lectivos de 2013/2014 e 2019/2020, houve um crescimento significativo de 46% no número de turistas académicos internacionais que escolheram o país para prosseguir estudos superiores por períodos inferiores a um ano. Este aumento foi destacado no artigo científico “Exploring Higher Education Mobility through the Lens of Academic Tourism: Portugal as a Study Case”, publicado na revista Sustainability.

Segundo Cláudia Seabra, docente da Faculdade de Letras da UC e investigadora do Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT), diversos factores contribuíram para este crescimento, como a qualidade da educação, segurança, multiculturalismo, custo de vida acessível e estabilidade política, económica e social em Portugal.

No entanto, a pandemia teve um impacto negativo temporário, resultando numa diminuição no número de estudantes internacionais em mobilidade no ano lectivo de 2020/2021, após um pico de 60 679 estudantes no ano anterior. Dina Amaro, coordenadora do estudo e estudante de doutoramento da FLUC, menciona que, apesar da queda, os turistas académicos mostraram-se mais resilientes do que os turistas convencionais, possivelmente devido ao seu comprometimento com objectivos educacionais.

Ana Maria Caldeira, co-autora do artigo, destaca a importância desses estudantes para o turismo em Portugal, notando que, embora representem uma pequena percentagem do total de turistas, a sua estadia prolongada contribui positivamente para a diversidade cultural e a sustentabilidade dos destinos. A pesquisa utilizou dados da Direcção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) e do Instituto Nacional de Estatística (INE) para analisar o fenómeno do turismo académico no país.

No entanto, o estudo também apontou desafios, como as assimetrias regionais na atracção de estudantes internacionais, que requerem estratégias específicas das instituições de ensino superior e das autarquias para promoverem suas regiões. Estratégias de sustentabilidade também são essenciais, incluindo a integração dos estudantes nas comunidades locais e o estímulo ao consumo de produtos e serviços locais.

Em conclusão, o turismo académico internacional não só fortalece a competitividade dos destinos, mitigando a sazonalidade e promovendo a inovação, como também pode influenciar positivamente o desenvolvimento económico local, conforme sublinham os especialistas envolvidos no estudo da UC.