Coimbra  21 de Maio de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Estudante da UC vence prémio de melhor tese ibérica em exploração planetárias

17 de Abril 2024 Jornal Campeão: Estudante da UC vence prémio de melhor tese ibérica em exploração planetárias

Vasco Serra Cardoso, aluno de mestrado em Astrofísica e Instrumentação para o Espaço, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), foi distinguido com o prémio “Pedro Nunes” para melhor tese ibérica de mestrado em Ciências e Exploração Planetária, pela Europlanet Society.

A tese de mestrado, intitulada “Collisional Evolution of Jupiter Trojans”, teve a coorientação de Nuno Peixinho, investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) e do Departamento de Física da FCTUC, e de Paula Benavidez, professora do Departamento de Física, Engenharia de Sistema e Teoria de Sinal do Instituto Universitário de Física Aplicada às Ciências e à Tecnologia de Universidade de Alicante, Espanha.

De acordo com Vasco Cardoso, “os Troianos de Júpiter são asteroides que povoam as regiões 60˚ à frente e 60˚ atrás de Júpiter na sua órbita em torno do Sol. Crê-se que sejam remanescentes dos primeiros dias do Sistema Solar e tenham permanecido nessas órbitas desde a sua captura. Mas há pelo menos seis famílias de asteroides nessas regiões indicando que sofreram muitas colisões desde a sua formação”.

«Através de simulações em computador, foi possível estudar a evolução de colisões dos Troianos de Júpiter sob diferentes cenários de formação, dando mais um passo na compreensão da história da formação da Sistema Solar”, revela o estudante.

“Este prémio muito honra o nosso, agora ex-aluno, Vasco Cardoso, assim como os seus orientadores, premiando, também, a ciência que se faz na nossa Universidade de Coimbra e suas colaborações internacionais, neste caso, com a Universidade de Alicante, Espanha”, considera Nuno Peixinho.

O Prémio “Abraham Zacut” para a Melhor Tese Ibéria de Doutoramento em Ciências e Exploração Planetárias, foi atribuído a Jennifer Huidobro, da Universidad do País Basco, Espanha.

Estes prémios têm o nome de astrónomos históricos de Espanha e Portugal, que viveram e trabalharam em ambos os países, servindo como modelos de sinergia e colaboração ibérica. As suas contribuições em astronomia e instrumentação desempenharam um papel fundamental na era das navegações marítimas e permitiram descobertas históricas de importância planetária.