Coimbra  26 de Setembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

ESTeS em consórcio europeu para estudar efeitos da radiação na Medicina

23 de Fevereiro 2017 Jornal Campeão: ESTeS em consórcio europeu para estudar efeitos da radiação na Medicina

A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC), através do Departamento de Imagem Médica e Radioterapia (DIMR), acaba de integrar o consórcio europeu MEDIRAD para estudar os efeitos das radiações ionizantes usadas em Medicina.

A investigação será financiada em 10 milhões de euros e a ESTeSC é a única escola superior de tecnologia de saúde da Europa a integrar este consórcio, através do Instituto de Investigação Aplicada do Instituto Politécnico de Coimbra.

O responsável pelo projecto e vice-presidente da Escola, Graciano Paulo, considera que a participação neste consórcio é “o reconhecimento do trabalho desenvolvido [pela escola], nesta área, a nível nacional e internacional nos últimos anos”.

Um trabalho que, nos últimos anos, se tem revelado “numa aposta ganha”, acrescenta, e que possibilitou a recente designação do DIMR como Centro Colaborador da Organização Mundial de Saúde (OMS) para a Protecção contra a Radiação, tornando a ESTeSC a primeira escola de tecnologia de saúde do mundo a ser nomeada centro colaborador da OMS e também o único centro colaborador na área da radiação médica num país de língua oficial portuguesa.

O projecto MEDIRAD, que reúne 34 universidades e centros de investigação europeus, foi aprovado no âmbito do programa de financiamento “Euratom fission 2016-2017”, do Horizonte 2020.

Durante os próximos quatro anos, este consórcio vai trabalhar com o objectivo de melhorar o registo e estimativa de dose nos órgãos dos doentes, na prática clínica, e optimizar os procedimentos médicos, no sentido de diminuir a dose de radiação nos doentes.

Outras metas, como compreender os efeitos da radiação no sistema cardiovascular em doentes submetidos a tratamentos de radioterapia no cancro da mama e compreender os efeitos a longo prazo da exposição a baixas doses de radiação em crianças submetidas a exames de TAC também merecem particular destaque.

“Pretende-se, também, desenvolver recomendações, baseadas na evidência científica, para uma efectiva proteção dos utentes e profissionais à exposição contra as radiações ionizantes”, explica a ESTeSC.

O consórcio MEDIRAD é coliderado pelo Instituto de Salud Global Barcelona e pela Universidade Paris Descartes e coordenado pelo European Institute for Biomedical Imaging Research (EIBIR).