Coimbra  19 de Setembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Escola de Coimbra quer entrega de manuais escolares sem rasuras

12 de Julho 2019

O PCP denunciou, hoje, que os pais de um agrupamento de escolas de Coimbra estão a ser pressionados para entregarem os manuais escolares limpos e sem rasuras, sob pena de os pagarem, e pediu explicações ao Governo.

“No Agrupamento de Escolas Martim de Freitas, em Coimbra, foi feita uma comunicação aos pais e encarregados de educação informando que, a partir do 3.º ano, deveriam entregar os manuais escolares apagados”, refere a nota introdutória de uma pergunta dos comunistas ao Governo.

Segundo refere o documento, “os manuais do 3.º ano são concebidos para os alunos escreverem e desenharem. Para além dos desenhos a ilustrar textos, vários exercícios exigem a utilização de cores, o que torna o processo difícil e, em vários casos, impossível”.

Estas características, “quando associadas ao uso, levantam a questão da existência das condições de poder ser utilizados por outras crianças no futuro”.

“Quer na comunicação aos pais, quer durante o processo de entrega, foi dito que se os livros entregues estivessem rasurados (não apagados), tal implicaria o pagamento dos mesmos”, denuncia o PCP.

Numa pergunta ao Governo, assinada pela deputada Ana Mesquita, os comunistas questionam o Governo se tem conhecimento da situação e “que medidas urgentes e imediatas vai tomar para fazer cessar esta situação inadmissível e para garantir que todos tenham acesso em condições dignas e sem ameaças ou chantagens de qualquer espécie aos manuais escolares gratuitos no próximo ano lectivo”.

“Reafirmamos que a gratuitidade dos manuais escolares foi uma conquista de enorme alcance e o acesso a este direito não pode ser apagado pela imposição da reutilização, sobretudo nos termos em que tudo tem acontecido”, sublinha o PCP.

Na pergunta formulada através da Assembleia da República, é referido que “é obrigação do Governo assegurar este direito às crianças e jovens, sem qualquer tipo de chantagem, pressão ou ameaça aos pais e/ou encarregados de educação, seja por acção ou inacção do Governo, seja por acção das escolas”.

“O PCP exige do Governo o integral respeito pela gratuitidade dos manuais escolares, pondo fim a esta acção de sabotagem por via da imposição da reutilização, e exige acções imediatas para assegurar que ninguém seja excluído da inscrição na plataforma electrónica”, lê-se no documento enviado.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com