Coimbra  24 de Julho de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Ephemera prepara caderno sobre o figueirense Maurício Pinto

28 de Junho 2021 Jornal Campeão: Ephemera prepara caderno sobre o figueirense Maurício Pinto

A Associação Cultural Ephemera – biblioteca e arquivo de José Pacheco Pereira está a preparar um caderno sobre o figueirense Maurício Augusto Águas Pinto.

Desde que o Ginásio Figueirense se tornou ponto de recolha, na Figueira da Foz, de materiais para a Ephemera, tem-se assistido um estreitamente de relações entre as duas entidades, que tem levado a que o fundador da Associação Cultural, Pacheco Pereira, e alguns dos seus colaboradores visitem com regularidade a Figueira da Foz na descoberta das pessoas e dos pontos culturais mais significativos da cidade.

A Ephemera possui, actualmente, um vasto património documental sobre figueirenses ilustres, que está ao alcance de todos na internet, tendo despertado interesse nessas colecções, os feitos de Maurício Augusto Águas Pinto. Nesse sentido, a Associação Cultural está a preparar-se para editar mais um dos seus Cadernos Ephemera, o n.º 4, desta vez sobre Maurício Pinto, jornalista e comerciante de roupas brancas junto ao Mercado Municipal.

Uma comitiva liderada por Pacheco Pereira esteve há poucos dias na Figueira da Foz, para mais uma visita ao espólio daquele figueirense existente no Arquivo do Ginásio, assim como para participarem numa reunião com elementos do Ginásio Figueirense, do Rotary Clube da Figueira e da Misericórdia Obra da Figueira, instituições nas quais Maurício Pinto foi um destacado elemento como dirigente, fundador e provedor, respectivamente.

A responsável por esta edição do Caderno n.º 4 é Mafalda Viana, tendo Pacheco Pereira salientado que se trata de um trabalho sobre o “inventário encontrado na correspondência de Maurício Pinto entre 1884 a 1958″.

Se não houver impedimentos de força maior, o lançamento do Caderno deverá acontecer a 20 de Setembro, “Dia do Figueirense” (data em que a Figueira da Foz foi elevada a cidade), no Casino Figueira, com uma exposição de material diversificado, que inclui uma colecção de publicidade dos produtos que vendia na sua loja, desde óleos, tecidos, agente de seguros, postais, etc.