Coimbra  16 de Julho de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Empresa de brindes de Cantanhede avança com revitalização face a dívida de 51 milhões

6 de Fevereiro 2024 Jornal Campeão: Empresa de brindes de Cantanhede avança com revitalização face a dívida de 51 milhões

A empresa de brindes promocionais Stricker, com sede em Cantanhede, avançou com um processo especial de revitalização (PER) face a uma dívida de 51 milhões de euros, mas o grupo sublinhou que está longe de uma situação de insolvência.

A lista provisória de credores da Stricker, publicada em 22 de Janeiro no âmbito do PER na plataforma Citius e consultada pela agência Lusa, faz referência a um total de cerca de 51 milhões de euros de dívida reconhecida, a maioria a entidades bancárias.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da empresa de brindes esclareceu que não se trata de um PER “tradicional”, mas um simplificado, tendo entrado em tribunal com um acordo “já estabelecido e aprovado pela maioria” dos credores da Stricker.

“O que está em causa é apenas a alteração de prazos e taxas. Este acordo não envolve nem tem qualquer impacto nos colaboradores, Estado e fornecedores, mantendo-se com os mesmos uma actividade normalizada”, salientou, referindo que a empresa nunca teve “qualquer dívida a colaboradores e Estado”.

Grande parte do capital reclamado (cerca de 40 milhões de euros) é dívida bancária e o PER surge da necessidade de recorrer à “renegociação” dessas mesmas dívidas, “após dois anos de resultados menos positivos, no seguimento de um difícil ano de 2020, devido à pandemia covid-19”, esclareceu.

Apesar de a empresa ter registado um crescimento após a pandemia, a rentabilidade “estacionou em valores insuficientes, o que acabou por causar um desequilíbrio financeiro e colocar em causa a capacidade da Stricker em continuar a contar com o ‘revolving’ [crédito renovável] natural das suas linhas de financiamento, crítico para manter o nível de fundo de maneio necessário à sua normal actividade, em especial o nível de inventário”.

A empresa de Cantanhede sublinhou que o volume de dívida, “em termos absolutos, não é problemático, principalmente à luz da rentabilidade da Stricker nos anos pré-covid”, apesar de a relação entre dívida e rentabilidade ter-se tornado “um problema a partir de 2020”.

Para a Stricker, “o pior já passou”, tendo sido implementado em 2023 um plano “bem-sucedido de redução e controlo de custos”.

Segundo fonte oficial da empresa, a Stricker “está longe de uma situação de insolvência” e tem um plano desenhado até 2025 para voltar “a rácios financeiros saudáveis”.

Questionada pela agência Lusa sobre se o actual PER irá levar a despedimentos de funcionários, a empresa referiu que “os ajustamentos necessários já foram realizados no início de 2023”, com o reajuste da dimensão de “algumas equipas” e a redução da dependência de serviços externos.

“Neste momento, estamos, inclusivamente, com alguns processos de recrutamento em aberto e a expectativa é a de crescimento da equipa, ainda que moderado, ao longo de 2024”, frisou.

Na resposta à Lusa, a Stricker vincou que “está hoje com menos dívida, mais ‘stock’ e mais rentável do que há um ano”, aclarando que eliminou “desperdícios e ineficiências – comuns em empresas que crescem com a velocidade que a Stricker registou na última década” – e reviu “processos e procedimentos”.

A Stricker, fundada em 1944, conta com mais de 10 mil clientes em mais de 100 países em quatro continentes.