Coimbra  21 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Elevador nas Escadas Monumentais já tem projecto de arquitectura

11 de Outubro 2020 Jornal Campeão: Elevador nas Escadas Monumentais já tem projecto de arquitectura

A instalação de uma torre de elevadores na encosta lateral direita das Escadas Monumentais já tem, segundo a Câmara Municipal de Coimbra, o projecto base de arquitectura, depois de em Fevereiro ter sido aprovado um estudo que aponta que esta é a solução mais confortável e inclusiva para melhorar as acessibilidades entre a praça da República e a praça Dom Dinis.

Este projecto, que resulta da articulação entre a autarquia, a Universidade de Coimbra (UC) e a Metro Mondego SA, tem como objectivo “reduzir o tempo-distância de ligação pedonal entre a futura paragem do Sistema de Mobilidade do Mondego na praça da República, junto ao Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV), e o Polo I da UC”, revela a autarquia.

Recorde-se que já está em curso a implementação do Sistema de Mobilidade do Mondego, uma rede de autocarros eléctricos (metrobus) que vai ligar Serpins (Lousã) e Coimbra B, com uma linha urbana até ao Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), numa extensão total de 42 quilómetros. É, precisamente, esta linha – do Hospital – que terá uma paragem na praça da República, junto ao TAGV, e que fará o transbordo dos passageiros que pretendam ir para o Polo I da UC. Neste sentido, “e para tornar este curto trajecto mais confortável e inclusivo, a Câmara de Coimbra estudou e produziu um projecto base de arquitectura para a instalação de elevadores verticais na encosta lateral direita das Escadas Monumentais”.

“Um equipamento que pretende vencer uma altura de aproximadamente 21 metros, numa projecção de 60 metros de comprimento. Um dos factores para esta solução ser considerada a melhor é o facto de os elevadores verticais serem o único sistema que por si só, sem qualquer tipo de adaptações ou complemento, garantem todas as necessidades associadas à mobilidade de cadeiras de rodas, carrinhos de bebé e bicicletas, entre outros, garantindo assim o cumprimento integral do Regime Jurídico da Acessibilidade”, nota o Município.

Esta é, também, “a solução que possui maior facilidade de instalação, mais baixos custos de manutenção e cujos componentes mecânicos dos equipamentos se localizam integralmente no interior de um elemento construído, não ficando assim expostos às adversidades meteorológicas”.

No sentido da integração urbana na zona, a implantação do elemento vertical do elevador é recuada para meia encosta, correspondendo aproximadamente ao lanço intermédio das escadas. Esta solução permite a criação de uma zona coberta que serve de entrada/saída para o elevador. Nesta praça inferior está, ainda, comtemplado o reposicionamento, conferindo grande destaque e protagonismo, da escultura “Peço a Palavra!”, da autoria de Carlos Ramos, que foi inaugurada no dia 17 de Abril de 2019, durante as comemorações dos 50 anos da Crise Académica de 1969.

Já o acesso superior até à coluna de elevadores será efectuado por um passadiço que pela sua delicadeza e transparência reforça o carácter panorâmico do percurso. Está, ainda, previsto o enquadramento do quiosque antigo, que se julga edificado no início da década de 40 do século passado, na nova solução urbanística, sendo que será reposicionado depois de devidamente restaurado.

Toda a arborização da encosta será revista e reforçada por forma a diluir a presença desta nova construção, contribuir para a agradabilidade do local e deixar o maior protagonismo para o elemento histórico mais relevante: as Escadas Monumentais.

O estudo prevê o integral cumprimento das normas regulamentares do funcionamento de elevadores, pelo que está prevista a criação de uma porta de emergência, colocada estrategicamente a meio do percurso vertical. Esta característica garante que não é excedido o limite máximo de altura sem possibilidade de acesso pelos Bombeiros em eventuais acções de socorro.

O projecto base de arquitectura será analisado na reunião do Executivo camarário de amanhã (12), sendo depois remetido à Direcção Regional de Cultura do Centro para emissão de parecer.

 

Projecto elevadores escadas-monumentais