Coimbra  16 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Covid-19: Arganil fez meio milhão de euros de investimento em emergência em 2020

22 de Janeiro 2021 Jornal Campeão: Covid-19: Arganil fez meio milhão de euros de investimento em emergência em 2020

O Município de Arganil estimou esta sexta-feira (22) em mais de 500 000 euros a despesa global de emergência que realizou, em 2020, no âmbito do combate local à pandemia da covid-19.

Luís Paulo Costa, presidente da Câmara Municipal de Arganil, disse que esse investimento abrange “apoios diversos” às famílias, empresas e instituições sociais deste concelho do distrito de Coimbra.

Nos primeiros meses da pandemia, que surgiu em Portugal no início de Março, a autarquia apostou sobretudo na aquisição e distribuição de produtos e equipamentos de protecção individual (EPI) aos Bombeiros Voluntários, funcionários da autarquia, lares de idosos e outras entidades, públicas e privadas.

“Fizemos um esforço muito grande, sobretudo em Marco e Abril, quando não havia EPI ou eram muito caros naquela altura”, recordou o autarca, eleito pelo PSD.

Essa aposta, ao longo do ano, incluiu a compra e entrega de máscaras e álcool-gel, bem como a comparticipação na realização de testes rápidos à covid-19.

A Câmara de Arganil, tal como outras do país, tomou ainda medidas para apoiar as pessoas e a economia que passaram – e passam de novo, neste segundo confinamento geral – por isenções e reduções de alguns encargos fixos, como tarifas da água, taxas de terrado nas feiras e Mercado Municipal, publicidade e ocupação de espaço público pelas esplanadas dos cafés e restaurantes.

Os mais de 500 000 euros aplicados, excepcionalmente, na prevenção e combate à pandemia associada ao novo coronavírus são uma parte do orçamento municipal, de 18 milhões de euros, executado em 2020, salientou Luís Paulo Costa.

Por outro lado, acrescentou, “esta circunstância exigiu mais na área social e houve necessidade de reforçar o apoio social às famílias, designadamente com fornecimento ou comparticipação de bens de primeira necessidade”, incluindo alimentos, produtos de higiene e medicamentos, “salvaguardando sempre a privacidade das pessoas”.

O pagamento do transporte de táxi para entrega ao domicílio de refeições servidas pelos restaurantes tem sido outra preocupação da Câmara de Arganil, como forma de minorar os riscos de contágio, ajudar as famílias mais carenciadas e ajudar as empresas.

Luís Paulo Costa entende ainda que, nesta conjuntura, cabe às autarquias e outras entidades “honrar os compromissos com os fornecedores de bens e serviços a tempo e horas”.

“As circunstâncias colocam também um nível de responsabilidade acrescida das entidades públicas”, já que “o dinheiro é essencial para que a economia possa funcionar”, sublinhou.

“Mais do que nunca, temos esse dever moral de honrar os compromissos sem atrasos”, defendeu o presidente da Câmara de Arganil.

Em 2020, realçou, este município do interior do distrito de Coimbra fez um renovado esforço nesse sentido e conseguiu pagar aos fornecedores com um atraso médio “de apenas quatro dias”, depois de em 2019 ter sido de 12 dias.