Coimbra  19 de Outubro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

“Correntes de um só rio” com Grande Noite do Fado a 03 de Outubro

20 de Setembro 2019

Exposições, concertos, teatro e muita música de Coimbra voltam a ser os destaques da segunda edição do festival “Correntes de Um Só Rio – Encontro da Canção, do Fado, da Música e das Guitarras de Coimbra”, a decorrer entre 01 e 07 de Outubro.

Uma das novidades deste ano é a exposição “Flores para Coimbra”, nome de um dos álbuns mais importantes da história da canção da cidade, para além da já quarta edição da Grande Noite do Fado e da Canção de Coimbra, a decorrer no Convento de São Francisco, dia 03 de Outubro.

“Retrato exemplar dos anos 60 [do século XX] portugueses e do impulso que Coimbra deu para a conquista da democracia em Portugal”, o álbum “Flores para Coimbra”, que foi gravado há 50 anos, não voltou a ser editado (a matriz perdeu-se, admissivelmente num incêndio) e duas ou três das suas faixas nunca foram sequer regravadas, disse hoje, na sessão de apresentação da segunda edição do festival, Manuel Portugal.

“Flores para Coimbra”, que é “um dos álbuns mais importantes da história da canção de Coimbra”, é agora pretexto da exposição em que “a poesia e a música são o fio condutor de uma história fundamental para a conquista da democracia em Portugal e para a afirmação da tradição musical de Coimbra no panorama da música moderna portuguesa”, sustentou Manuel Portugal, da organização do festival e curador da exposição, que permanecerá aberta ao público até 20 de Outubro, no Convento de São Francisco.

O álbum será, ainda, evocado num espectáculo (05 de Outubro) em que as suas canções serão recriadas, numa produção da Associação Fado Hilário.

O festival “Correntes de Um Só Rio”, promovido pela Câmara Municipal de Coimbra, volta, no entanto, a cruzar a Canção de Coimbra com outras artes, à semelhança do que aconteceu no ano passado. Se em 2018, o cante alentejano se juntou à música coimbrã, para uma serenata, este ano o programa adopta “várias linguagens artísticas” e é, “talvez, ainda mais ousado”, como referiu a vereadora da Cultura da Câmara de Coimbra, Carina Gomes.

O teatro, designadamente com a apresentação de ‘Purgatório’ (segunda estação de ‘A Divina Comédia), por ‘O Bando’ (02 de Outubro), integra igualmente a programação do festival, que termina com um concerto do fadista Ricardo Ribeiro (07 de Outubro), no qual será feita uma viagem pela história do fado, canção e balada de Coimbra”.

“Um dos maiores fadistas da actualidade, virtuoso e versátil”, Ricardo Ribeiro cantará alguns dos mais importantes nomes da canção de Coimbra, desde António Menano a Adriano, de Augusto Hilário a Luís Goes ou de Edmundo Bettecourt a Zeca Afonso, num desafio e experiência únicas.

Outras referências da canção, do fado, da música e das guitarras estarão igualmente presentes na programação do festival, que reflectirá sobre ‘A obras de Coimbra na guitarra de Carlos Paredes’ e os ‘Contributos do poeta Edmundo Bettencourt para a modernidade da Canção de Coimbra.

A música ao vivo sairá, também, à rua e entrará nas repúblicas estudantis da cidade, entre 01 e 05 de Outubro, com a iniciativa “Roteiros da Canção de Coimbra”.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com