Coimbra  3 de Julho de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

“Cordão humano solidário” em defesa de um hospital geral nos Covões

9 de Junho 2020 Jornal Campeão: “Cordão humano solidário” em defesa de um hospital geral nos Covões

Diversas organizações e cidadãos realizam hoje, em Coimbra, a partir das 10h30, um “cordão humano solidário” em defesa do Hospital dos Covões.

A iniciativa, que terá lugar na entrada principal daquele polo do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), tem como objectivo alertar a população da cidade e da região Centro para a passagem da urgência para o seu nível básico, por decisão da Administração.

Os promotores da concentração alegam que a transformação da actual urgência dos Covões, na margem Sul do rio Mondego, em Serviço de Urgência Básico “irá levar ao encerramento da resposta de cardiologia, de pneumologia e de medicina interna” pelo também designado Hospital Geral do CHUC.

Por outro lado, essa mudança vai “aumentar em cerca de 25 por cento o número de macas” nos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC), polo principal do CHUC, cujo conselho de Administração é presidido pelo médico e professor universitário Fernando Regateiro.

No “cordão solidário”, em São Martinho do Bispo, estarão representados o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, o Sindicato dos Médicos da Zona Centro, o Sindicato dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica, o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, o Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Actividades Diversas, o Sindicato da Hotelaria do Centro e a União dos Sindicatos de Coimbra.

Também a Ordem dos Médicos, o Movimento dos Utentes dos Serviços Públicos e o Sindicato Independente Profissionais Enfermagem anunciaram a sua presença.

Os organizadores recusam o desmantelamento do Hospital dos Covões, do qual foi utente o principal impulsionador do SNS, o socialista António Arnaut, um dos fundadores do PS, que residia em Santa Clara, na margem esquerda do Mondego.