Coimbra  1 de Março de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Condeixa tem novo ecoponto móvel para recolha de resíduos perigosos

5 de Janeiro 2021 Jornal Campeão: Condeixa tem novo ecoponto móvel para recolha de resíduos perigosos

O Município de Condeixa-a-Nova tem, agora, um ecoponto móvel, o Eco.RUPI, que permite a recolha de 15 fluxos diferentes de resíduos urbanos perigosos, de forma itinerante.

Segundo a Câmara Municipal, o Eco.RUPI chegou a Condeixa esta terça-feira (05) e permite reciclar diversos resíduos, como óleos alimentares usados, loiças, espelhos e vidros, pequenos electrodomésticos, cabos eléctricos, entre outros.

Com este novo ecoponto móvel, o primeiro na zona Centro, será possível “reciclar ainda mais e melhor, quase à porta de casa, uma vez que ele se desloca por todo o concelho, indo a cada semana a uma freguesia diferente”, explica o Município.

A autarquia pretende, assim, “uma gestão de resíduos inclusiva, que chegue a todas as freguesias e permita a todos a correcta deposição de alguns fluxos específicos de resíduos perigosos, como pequenos electrodomésticos, latas de tintas, cabos eléctricos, pilhas e baterias e outros materiais que de outra forma seriam colocados no lixo comum e enviados para aterro”.

O ecoponto móvel, adquirido no âmbito de uma candidatura ao POSEUS – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, do Portugal 2020, corresponde a um investimento de 30 873 euros, cofinanciado em 85 por cento pela União Europeia, através do Fundo de Coesão.

O Município adianta, ainda, que com o objectivo de “garantir a sustentabilidade do território e caminhar no sentido de uma gestão sustentável dos resíduos”, pretende implementar, ainda este ano, um serviço de recolha selectiva de resíduos verdes de modo a “desviar estes resíduos dos resíduos indiferenciados e evitar o seu abandono na via pública”.

A Câmara Municipal prevê, também, iniciar este ano “um novo sistema de recolha de resíduos – sistema PAYT – dedicado ao sector não-doméstico, um sistema mais justo em que cada produtor paga apenas o lixo que realmente produz, e não de acordo com a água que consome, como acontece actualmente”.

As acções integram um conjunto de projectos que “contribuirão, de forma integrada, para a implementação da Economia Circular e de políticas de sustentabilidade a nível local”, segundo o Município de Condeixa-a-Nova.