Coimbra  16 de Junho de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Condeixa distribui cabazes de alimentos a 365 alunos

1 de Fevereiro 2021 Jornal Campeão: Condeixa distribui cabazes de alimentos a 365 alunos

A Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova vai distribuir, até amanhã (02), na Escola Básica n. 3, cabazes com bens alimentares a 365 alunos, do pré-escolar ao 12.º ano, beneficiários da acção social escolar.

Esta medida surge como consequência do encerramento dos estabelecimentos de ensino, devido ao confinamento imposto pela covid-19.

“Mantivemos a opção pela composição de um cabaz com bens alimentares em quantidade suficiente para duas semanas para diminuir as interacções sociais que uma entrega diária implicaria”, disse Nuno Moita, presidente da Câmara Municipal.

Desta forma, o edil defende que é possível “assegurar alimentos para outras refeições, nomeadamente o pequeno-almoço e os lanches e até para o agregado familiar dos 365 alunos abrangidos”.

Entre os estudantes abrangidos pela iniciativa, estão 12 alunos que, apesar de não serem beneficiários de acção social escolar, foram sinalizados pela Direcção do agrupamento de escolas e pelas técnicas de serviço social para a necessidade de um apoio alimentar, devido ao contexto económico das respectivas famílias.

De acordo com a autarquia, os cabazes incluem arroz, massa, legumes, fruta, ovos, enlatados, cereais, iogurtes, leite, gelatina, carne e peixe e representam “um investimento de 8 500 euros”.

O Executivo referiu que esta iniciativa “tem ainda um impacto na actividade económica do município”, uma vez que os alimentos foram adquiridos em diferentes estabelecimentos locais.

Para evitar ajuntamentos, a autarquia informou que as famílias serão avisadas, por mensagem, do dia e hora das respectivas entregas. Para além disto, serão feitos, excepcionalmente, “circuitos de distribuição para os casos de famílias em isolamento profiláctico ou sem transporte próprio”, informou o Executivo.

Recorde-se que esta medida já foi tomada, em 2020, durante o primeiro confinamento, “assegurando, deste modo, o apoio alimentar a todos os alunos que ficaram sem os serviços dos refeitórios” escolares.