Coimbra  2 de Março de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: Sagrada Família acolhe 42 alunos da EB1 da Conchada devido a obras

17 de Setembro 2023 Jornal Campeão: Coimbra: Sagrada Família acolhe 42 alunos da EB1 da Conchada devido a obras

O Executivo da Câmara de Coimbra vai analisar e votar, segunda-feira, um protocolo a celebrar com o Centro de Bem-Estar Social da Sagrada Família, para o acolhimento de duas turmas da EB1 da Conchada, num total de 42 alunos.

Este acolhimento decorrerá enquanto estiverem a decorrer as obras de requalificação da EB1 da Conchada. Esse acolhimento, excepcional e provisório, terá um custo de 1.500 euros mensais para a Câmara de Coimbra.

A EB1 da Conchada é um estabelecimento de ensino situado na malha urbana do concelho, composto por quatro salas de aula, duas das quais em monoblocos, que acolhe actualmente 84 alunos do 1.º ciclo do Ensino Básico.

Ao longo dos últimos anos tem-se, contudo, verificado uma degradação generalizada dos monoblocos [salas de aula, instalações sanitárias e sala de apoio], o que levou a que Câmara Municipal avançasse com a sua requalificação, de forma a adequar o número de salas ao número de alunos que procuram o estabelecimento, bem como a instalar espaços necessários ao funcionamento da escola [refeitório, salas de apoio, biblioteca e instalações sanitárias ajustadas ao número de alunos].

No entanto, uma vez que os monoblocos não reúnem os requisitos mínimos para o acolhimento da totalidade das crianças matriculadas (quatro turmas, 84 alunos) no ano lectivo 2023/2024 e para garantir o normal funcionamento das duas turmas enquanto decorrem as obras, foram encetados esforços para duas turmas terem aulas, provisoriamente, nas instalações do Centro de Bem-Estar Social da Sagrada Família.

Para tal, a Câmara de Coimbra vai ter de celebrar um protocolo de cooperação com o Centro de Bem-Estar Social da Sagrada Família, para a disponibilização de duas salas de aula para actividades lectivas e de enriquecimento curricular, mediante a comparticipação financeira da autarquia de 1.500 euros mensais, valor esse que já inclui consumos de água, electricidade e comunicação de dados e de voz. Está previsto que a comparticipação da autarquia seja de um total de 15 mil euros.