Coimbra  5 de Março de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra registou em 2023 maior número de pedidos de habitação social em 15 anos

8 de Janeiro 2024 Jornal Campeão: Coimbra registou em 2023 maior número de pedidos de habitação social em 15 anos

A Câmara de Coimbra registou em 2023 o valor mais alto de pedidos de habitação social no concelho nos últimos 15 anos, com 178 novos pedidos, ultrapassando o recorde anterior desse período, de 2013.

A vereadora com o pelouro da habitação social da Câmara de Coimbra, Ana Cortez Vaz, divulgou hoje os dados relacionados com novos pedidos de habitação social no concelho, nos últimos 15 anos, notando que 2023 foi o ano com “o número mais alto desde 2008”.

Os 178 novos pedidos “certamente se devem à crise económica, à crise financeira e social, mas também à crise de habitação e aos valores do mercado privado de arrendamento completamente absurdos”, notou a vereadora, que intervinha na reunião do executivo da Câmara de Coimbra.

Antes de 2023, o valor mais alto registado pelos serviços municipais nos últimos 15 anos tinha sido em 2013, com um total de 155 pedidos, numa altura marcada pela crise financeira e intervenção da ‘troika’.

De 2013 a 2020, o número de pedidos foi oscilando (com ligeiras subidas e descidas), passando a subir de forma constante desde 2020, de acordo com os dados partilhados pela vereadora na reunião do executivo.

Em 2020, houve um total de 87 novos pedidos de habitação social, passando para 128 em 2021 e 131 em 2022.

Segundo Ana Cortez Vaz, o município regista, actualmente, um total de 582 processos activos de pedidos de habitação social, com a grande maioria para habitações de tipologia T1 e T2 (mais de 400 pedidos activos).

Em 2023, registou-se também um elevado número de novos contratos de arrendamento (um total de 72) de habitação social.

“Em 2023, tivemos o maior número de contratos celebrados nos últimos dez anos e queremos aproveitar os programas disponíveis para continuar a fazer crescer este número, porque, efectivamente, é necessário”, vincou a vereadora, esclarecendo que, dos 72 contratos celebrados em 2023, 46 dizem respeito a realojamento.