Coimbra  31 de Maio de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: PSP recebeu queixa por burla online

21 de Novembro 2018 Jornal Campeão: Coimbra: PSP recebeu queixa por burla online

Uma mulher, de 37 anos, apresentou queixa, na PSP de Coimbra, por ter sido vítima de burla online na aquisição de um bem, segundo anunciou, hoje, o Comando Distrital da corporação.

“A denunciante afirmou que viu na Internet, numa página de uma rede social, um bem à venda e que o decidiu adquirir, contactando o anunciante e acordados os termos da compra, tendo-lhe sido facultada uma entidade e referência para pagamento”, refere a PSP.

Contudo, acrescenta a Polícia, “no acto de compra, a queixosa percebeu que se tratava de uma instituição de pagamentos e, por isso, decidiu contactá-la, conseguindo, ainda, apurar que a entidade e referência cedidas foram geradas para um site de apostas”.

Perante este caso, a PSP lembra que “as tecnologias presentes no quotidiano da maior parte da população trouxeram uma série de novidades para as quais não estávamos alertas, o que nos torna, ainda, vulneráveis a situações de excepção”.

“A facilidade e comodidade existentes nas compras online são aliciantes, estando esta realidade cada vez mais presente na nossa vida, no entanto, quando fizer compras online, saiba que existem riscos que lhes são inerentes, pelo que faça-as de forma segura e ponderada, a fim de evitar desfechos como os que relatámos em cima”, acrescenta a PSP.

A Polícia alertar para “alguns cuidados a ter sempre em mente” quando se recorre a esta modalidade de compras, nomeadamente: “Utilize métodos de pagamento e sites seguros; Adquira os seus artigos a empresas que conheça e nas quais confie; Certifique-se que a página da rede social da empresa é verificada, quando aplicável; Na eventualidade de o fazer a uma empresa que não conheça, procure ‘feedback’ de anteriores clientes ou fóruns online sobre o assunto de forma a recolher informações pertinentes; Não faça qualquer troca ou pagamento sem assegurar que os termos acordados foram respeitados e que recebe o que comprou; Quando estiver na dúvida não hesite em contactar a força policial da área”.

A PSP recorda que o crime de burla (artigo 217.º do Código Penal) é punido com pena de prisão até três anos, ou multa, e para haver procedimento criminal é necessário formalizar queixa.