Coimbra  19 de Setembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: PJ desmantela rede de tráfico sofisticada

22 de Novembro 2018 Jornal Campeão: Coimbra: PJ desmantela rede de tráfico sofisticada

Uma sofisticada rede de tráfico de droga foi desmantelada, anteontem (20), em Coimbra, pela Polícia Judiciária.

Uma mulher com ligação ao Brasil e seis indivíduos portugueses foram capturados mediante cumprimento de mandados de detenção emitidos pelo Ministério Público através do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Coimbra, disse fonte policial ao “Campeão”.

Dos sete suspeitos, com idades compreendidas entre 20 e 50 anos, alguns foram postos em prisão preventiva, pelo Tribunal de Instrução Criminal de Coimbra, a título de medida de coacção, e outros encontram-se obrigados a apresentações periódicas a um órgão de polícia criminal.

A rede, tida como responsável por intenso tráfico de cocaína solidificada (crack) na «Baixa» de Coimbra, agia como se possuísse “lógica empresarial”, num registo em que não eram deixados ao acaso aspectos relevantes para o negócio, indicou a mesma fonte.

Segundo apurou o “Campeão”, trata-se de “um dos grupos mais organizados” entre os já inteceptados pela PJ, presumindo-se que fizesse entrar no tráfico de estupefacientes perto de 20 000 doses por mês.

No decurso da investigação, em que houve 13 buscas domiciliárias, foram apreendidos, entre outros artigos, cerca de 3 800 doses individuais de cocaína, 40 doses individuais de haxixe, 12 300 euros em numerário, um veículo automóvel e duas balanças de precisão.

A acção policial envolveu cerca de meia centena de pessoas da Directoria do Centro da PJ, do Departamento de Investigação Criminal de Aveiro pertencente à mesma corporação e do Laboratório de Polícia Científica.

Acresce que acaba de subir para 14 o número de arguidos sujeitos a prisão preventiva no âmbito de outra averiguação, igualmente sobre tráfico de droga, a cargo da PJ de Coimbra.

A dois indivíduos foi aplicada, recentemente, a mais severa das medidas de coacção, à qual também tinham sido sujeitos 12 de 13 arguidos anteriormente interceptados.

Além dos dois arguidos que acabam de ficar preventivamente presos, a título de medida de coacção, outros três encontram-se obrigados a apresentações periódicas a um órgão de polícia criminal.