Coimbra  27 de Maio de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: Médicos debatem “SNS: Valor financeiro ou valor humano?”

12 de Abril 2019

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM), em Coimbra, acolhe, no próximo dia 16, pelas 18h00, o debate “SNS: Valor financeiro ou valor humano?”.

Moderado pelo presidente da SRCOM, Carlos Cortes, o debate contará com a presença do ex-ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes (PS), do deputado na Assembleia da República e porta voz para a Saúde, Ricardo Baptista Leite (PSD), e do presidente da Fundação ADFP, ex-presidente da Administração Regional de Saúde do Centro, Jaime Ramos.

A sessão resulta de uma organização conjunta da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos com a Fundação Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional (ADFP) e visa debater questões fulcrais sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Os intervenientes são médicos com diferentes experiências profissionais e políticas, todos conhecedores das suas potencialidades e insuficiências e com distintas visões sobre o SNS.

Esta iniciativa enquadra-se no actual debate e discussão no Parlamento sobre a futura Lei de Bases da Saúde, que continua a suscitar polémica e preocupações, designadamente nas relações entre o sector público com o privado, o sector social e da economia solidária.

A Ordem dos Médicos, em parceria com a Fundação ADFP, acolherá este debate no âmbito do qual “se pretende aprofundar uma análise que garanta a sustentabilidade do SNS, fiel aos princípios da Gratuitidade e Universalidade nos acessos ao cuidados de saúde”.

Após as intervenções terá lugar um período de debate, aberto a todos os médicos bem como a outros profissionais do SNS e a todos aqueles que “ambicionam uma visão plural e com princípios éticos, com alternativas e sem dogmas”.

A Fundação ADFP, entidade de interesse público, sem fins lucrativos, tem uma actuação significativa na área da saúde apoiando e integrando pessoas com doença mental, gerindo duas unidades de cuidados continuados de longa e média duração e reabilitando pessoas por cooperação com o SNS na área da fisioterapia e terapia da fala.

A instituição acaba de construir um moderno hospital médico-cirúrgico, com 54 camas, bloco com duas salas de cirurgia, equipamento de imagiologia, TAC, ecografia, Rx e mamografia.

“Toda esta actuação na área da saúde da Fundação é feita sem fins lucrativos, criando empregos, melhorando a acessibilidade dos doentes e aumentando humanização com cuidados de proximidade”, refere a ADFP.