Coimbra  22 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra junta-se a Viseu a pedir a reposição da circulação no IP3

10 de Janeiro 2020 Jornal Campeão: Coimbra junta-se a Viseu a pedir a reposição da circulação no IP3

Depois de uma posição da região de Viseu e Dão-Lafões, a Comunidade Intermunicipal (CIM) da Região de Coimbra pediu uma reunião com “carácter de urgência” ao ministro das Infraestruturas e da Habitação, face à demora no restabelecimento da circulação do IP3.

Ontem, num texto enviado à agência Lusa, a CIM da Região de Coimbra mostrou-se “preocupada com a demora no restabelecimento da circulação do Itinerário Principal (IP) 3, que está cortada no sentido Coimbra-Viseu, em Penacova, devido ao deslizamento do talude, resultado do mau tempo ocorrido há três semanas”.

Nesse sentido, a Comunidade Intermunicipal pediu “uma reunião com carácter de urgência ao ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos”.

A CIM da Região de Coimbra recordou que, além do desabamento ocorrido há três semanas, está a decorrer uma empreitada “na principal estrada de ligação entre Coimbra e Viseu”, que começou no Verão de 2019.

“Para a realização dos trabalhos previstos na empreitada, houve necessidade de implementar condicionamentos de tráfego, com supressão de vias, mantendo-se, nesta fase, o tráfego em circulação em uma via em cada sentido”, lembrou.

Também ontem, a CIM de Viseu e Dão-Lafões exigiu o restabelecimento urgente da circulação no IP3.

“Reclama-se, com absoluto carácter de urgência, o restabelecimento da circulação integral no IP3, mobilizando-se, para o efeito, todos os meios necessários para que isso ocorra de imediato”, disse o presidente da CIM, Rogério Abrantes, em conferência de Imprensa.

Rogério Abrantes frisou que o deslizamento do talude no IP3 – que não foi consequência das obras de requalificação em curso, mas sim do mau tempo – “interrompeu a circulação desta via estrutural, insubstituível, numa primeira fase com o corte total da via e, desde há duas semanas, com o corte da circulação no sentido Souselas-Penacova”.

Para os autarcas dos 14 concelhos que integram a CIM Viseu e Dão-Lafões, é inadmissível que não se conheça “o calendário existente para o restabelecimento, integral, da circulação rodoviária”.

O responsável da CIM disse, ainda, que as últimas intempéries “vieram colocar a descoberto um conjunto de problemas existentes em diversas infraestruturas que se encontram sob a tutela do Governo”, de que são exemplo as estradas nacionais 02 e 228.