Coimbra  27 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra formaliza candidatura a ‘Região Europeia de Gastronomia’

22 de Maio 2018 Jornal Campeão: Coimbra formaliza candidatura a ‘Região Europeia de Gastronomia’

Diane Dodd, presidente do IGCAT, e João Ataíde, presidente da CIM, assinaram o protocolo de candidatura de Coimbra a ‘Região Europeia de Gastronomia’

 

O projecto “arrojado e ambicioso” foi apresentado há cerca de um ano, mas só ontem (21) o protocolo que formaliza a candidatura de Coimbra a ‘Região Europeia de Gastronomia’ foi assinado pelas entidades impulsionadoras e pelo Instituto Internacional de Gastronomia, Cultura, Artes e Turismo (IGCAT).

“Face à diversidade que existe, desde o litoral ao interior, com peixe, carne, doces, etc., nunca uma região teve características tão próprias para enfrentar este desafio”, afirmou João Ataíde, presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM-RC), aquando da assinatura do protocolo.

Na opinião do responsável, esta é uma candidatura que “vai valorizar e engrandecer a região, até pelas práticas que são sugeridas no projecto”, garantindo que está certo da vitória.

A candidatura contém uma panóplia de iniciativas que o conjunto de entidades promotoras – CIM; Universidade de Coimbra; Instituto Politécnico de Coimbra; Turismo do Centro; Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra; Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Centro; Ministério da Cultura e secretaria de Estado do Turismo – deverá realizar até 2021, no sentido de cumprir os requisitos obrigatórios para conquistar o título.

Para João Ataíde, o mais difícil é, precisamente, “mostrar como esta candidatura é forte”, até porque, como disse na apresentação pública do projecto, em Junho de 2017, “são muitos e diferentes os produtos que a distinguem, com uma grande diversidade ao nível culinário”, para além de se organizarem muitos festivais à volta da gastronomia e da saúde, com uma tradição e uma cultura muito arreigada aos costumes das suas terras”.

É, precisamente, isso que o IGAT pretende com o lançamento desta ideia. Diane Dodd, presidente do Instituto, explicou que “não se trata de uma competição, é antes uma plataforma de aprendizagem, de apoio e de contribuição”, no fundo, uma parceria entre as várias regiões que se vão juntando ao projecto, com o objectivo de ”falarem sobre os problemas e encontrar as soluções, para que cresçam sustentavelmente e tenham um legado para o futuro”.

A gastronomia é o mote de todas as candidaturas, contudo, muitos outros sectores são desenvolvidos durante a “caminhada” até à conquista do título. Turismo, cultura, emprego, qualificação, educação e sustentabilidade, etc. são algumas das vertentes a serem trabalhadas pela candidatura até 2021.

“A conquista do título é importante, contudo, o principal é o caminho que se fará até lá”, explicou Jorge Brito, secretário executivo da CIM, adiantando que este “é o primeiro passo mas o objectivo é tornar a região mais preparada e qualificada”.

Neste momento, a candidatura conimbricense tem já 30 entidades, que podem ser públicas ou privadas, associadas ao projecto.

Até ao final do mês, a CIM tem de apresentar o dossier de candidatura ao IGCAT, sendo que aceitação da candidatura (ou não) será anunciada entre Outubro e Novembro, em Bruxelas, durante a ‘Semana Europeia das Cidades e Regiões’, depois de realizadas as peritagens exigidas pelo IGCAT às iniciativas que vão ser apresentadas.