Coimbra  21 de Setembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra e Figueira da Foz com equipamentos na rede de teatros e cineteatros

26 de Agosto 2021 Jornal Campeão: Coimbra e Figueira da Foz com equipamentos na rede de teatros e cineteatros

A Direcção-Geral das Artes está a analisar 39 pedidos de adesão à Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses (RTCP), que, na fase de lançamento, conta com 50 equipamentos culturais credenciados, o TAGV (Coimbra) e o CAE (Figueira da Foz).

Fonte da DGArtes explicou que na primeira fase de candidatura de adesão à RTCP foram submetidos 89 pedidos de credenciação, tendo sido decidida a atribuição a 50 equipamentos culturais, cuja lista já foi anunciada. “Os restantes 39 pedidos encontram-se em verificação dos requisitos necessários”, referiu a mesma fonte.

Os equipamentos culturais selecionados nesta fase de lançamento da RTCP, como auditórios municipais, fóruns, casas culturais, teatros e cineteatros, poderão candidatar-se a uma linha de apoio à programação que abrirá a 09 de Outubro.

Entre os primeiros 50 equipamentos culturais estão o Teatro Académico Gil Vicente (Coimbra), o Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz, o Teatro Viriato (Viseu), o Cine Teatro Sousa Telles (Ourique), a Casa da Criatividade (São João da Madeira), o Auditório de Espinho, o Centro Cultural Raiano (Idanha-a-Nova).

Quanto aos equipamentos culturais dos Açores e da Madeira, nesta primeira lista consta apenas o Teatro Municipal Baltazar Dias (Funchal).

Quando esta fase de arranque da RTCP estiver concluída, o processo de credenciação “passará a estar aberto em regime de permanência, sem interrupções” para as entidades que queiram aderir no futuro.

Em Julho, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, revelou no Parlamento que esta linha de apoio à programação terá uma dotação entre cinco milhões e seis milhões de euros.

O regulamento indica que na fase inicial de implementação da RTCP, os equipamentos culturais nos concelhos de Lisboa e do Porto não podem concorrer ao apoio à programação, para que as verbas cheguem a “realidades territoriais mais carenciadas em termos de recursos, projectos e dinâmicas culturais e artísticas”.