Coimbra  18 de Agosto de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: BE quer maternidade nos Covões “seriamente encarada”

11 de Junho 2019

A Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda (BE) de Coimbra exigiu, hoje, que a localização da nova maternidade da cidade, no perímetro do Hospital dos Covões, seja “seriamente encarada” pelo Ministério da Saúde.

A estrutura BE também quer que “sejam desenvolvidos e tornados públicos os estudos necessários para que esta infraestrutura, com larga história no campo da saúde pública, com bons equipamentos e com óptimas condições de espaço circundante, seja enriquecida com tudo o que se entende necessário para que aí sejam propiciadas às mulheres e aos/às recém-nascidos/as de Coimbra e da região as melhores condições de atendimento”.

O Governo recebeu uma proposta para que a nova maternidade de Coimbra se localize no perímetro dos Hospitais da Universidade, afirmou na sexta-feira a ministra da Saúde, Marta Temido, salientando que todos os estudos técnicos apontam para essa solução.

Hoje, a Comissão Coordenadora Distrital do BE pronunciou-se sobre o assunto, considerando que “encarar as questões da saúde pública de Coimbra e da sua região como um assunto a ser decidido somente pelo Conselho de Administração dos CHUC é um grave atentado à democracia e à cidadania”.

“A construção de uma infraestrutura tão importante como uma nova maternidade, que servirá uma larga região com mais de dois milhões de habitantes, não é um tema do foro exclusivo médico ou hospitalar, muito menos desta administração”, defende.

O BE entende que a decisão “interfere obrigatoriamente com o urbanismo, com a mobilidade e com inúmeras outras infraestruturas, cujo planeamento e execução competem aos órgãos de poder local de Coimbra e dos concelhos que integram a Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM-RC) e em que a participação das populações não pode ser dispensada”.

Para o partido, “é mais um passo – um enorme passo – para a desqualificação do Hospital dos Covões, em favor da lógica de hiperconcentração de serviços e valências no Pólo de Celas”.

“Em alternativa, o BE tem defendido uma revalorização do Hospital dos Covões enquanto unidade altamente diferenciada na prestação de cuidados de saúde, no quadro de uma desconcentração planeada de serviços hospitalares para servir as populações de Coimbra e da sua região”, remata.

O presidente da concelhia de Coimbra do PS, Carlos Cidade, também manifestou discordância em relação à vontade do Governo de instalar no pólo dos CHUC a nova maternidade do concelho.

A Direcção Regional de Coimbra do PCP rejeitou igualmente a anunciada instalação no pólo dos CHUC da nova maternidade do concelho, que resulta da fusão das duas existentes.

O presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, manifestou-se em “absoluto desacordo” com a localização da nova maternidade da cidade na área dos Hospitais da Universidade e considerou “inaceitável” que a autarquia não seja ouvida sobre o processo.

Os Cidadãos por Coimbra também consideraram que a instalação da nova maternidade no perímetro dos Hospitais da Universidade é um “grave erro político e uma grave cedência àqueles que encaram o congestionamento dos hospitais como oportunidade de negócio”.

O CHUC anunciou que está em revisão o programa funcional do novo edifício da maternidade, considerando que o resultado é “decisivo” para ser tomada uma decisão final.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com