Coimbra  16 de Julho de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: AAC acusa o Governo de dar passo atrás nas propinas

30 de Janeiro 2019

A Associação Académica de Coimbra (AAC) solicitou, hoje, uma audiência ao primeiro-ministro e ao ministro da Ciência para falar sobre as propinas e acusou o Governo de dar um passo atrás e de fugir às suas responsabilidades.

Hoje de manhã, a Direcção-geral da AAC pediu uma audiência com o primeiro-ministro, António Costa, e com o ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, Manuel Heitor, para uma “clarificação definitiva da política de propinas no ensino superior português”.

A mais antiga associação estudantil do país acusa o ministro de se “esquivar” a dar uma resposta “definitiva, clara e inequívoca” sobre o tema, como a AAC tinha exigido ao Governo, na segunda-feira.

Em reacção a essa exigência da Academia de Coimbra, o ministro do Ensino Superior escusou-se, na terça-feira, a falar sobre o futuro das propinas, preferindo destacar a aposta do Governo em reduzir os custos da família com a formação académica.

Hoje, a AAC, na carta que enviou ao Governo e a que a agência Lusa teve acesso, considerou que o ministro, ao escusar-se a comentar o assunto, foge “a uma responsabilidade governativa”.

Os estudantes de Coimbra viram com desagrado e preocupação as declarações de Manuel Heitor, ao semanário Expresso, no sábado, que referiu nunca ter defendido o fim das propinas no ensino superior e que essa seria uma medida “altamente populista””.

Na carta enviada ao Governo, a AAC refere que Manuel Heitor tinha dado a esperança “de um novo consenso alargado em volta de uma visão inspirada no princípio da tendencial gratuitidade” do ensino superior, sendo que a entrevista ao Expresso foi um “passo atrás nas declarações proferidas anteriormente” pelo governante.

“Esse mesmo passo, na perspectiva dos estudantes de Coimbra, envolve a sua opção estratégica de desconsiderar os estudantes, num clima de incoerência que não se compreende. Pedimos, nessa sequência, uma resposta clara, definitiva e inequívoca em relação a esta temática”, exigem os estudantes, que notam que já não caminham “isolados” nesta matéria, sentindo um “crescente apoio nas várias camadas da sociedade”.

Na carta enviada a António Costa e Manuel Heitor, a AAC avisa ainda que a audição será “o momento para a derradeira oportunidade de esclarecimento” por parte do Governo.

Após essa audiência, a AAC tomará “todas as iniciativas de luta necessárias para um novo rumo para a política educativa do Governo de Portugal”.

“Seremos realmente uma prioridade?”, questiona a associação, no final da carta.

Apesar de ter recusado o fim das propinas na entrevista ao Expresso, Manuel Heitor tinha afirmado aos jornalistas, a 22 de Janeiro, que seria necessário “reduzir os custos directos das famílias” na próxima década, tendo também dito ao jornal Público, a 27 de Outubro de 2018, que o ideal seria ter “um ensino superior livre”.

O ‘site’ Polígrafo, dedicado à verificação de factos, notou que, aquando das declarações do ministro, a 22 de Janeiro, o órgão oficial do Partido Socialista “Acção Socialista” publicou um texto sob o título “Manuel Heitor defende o fim das propinas no ensino superior”.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com