Coimbra  22 de Agosto de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Cirurgia de reconstrução de pélvis e fémur realizada em Coimbra

31 de Julho 2019

O doente sujeito a uma cirurgia altamente complexa de reconstrução de metade da pélvis e da totalidade do fémur em conjunto teve alta do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra ao fim de nove meses, foi hoje anunciado.

“Tratava-se de uma caso complexo de infecção periprotésica em prótese total da anca de revisão, com perda de osso associada, grande limitação funcional e dor, num homem de 66 anos, após 12 anos de sofrimento com fístulas activas”, explica o CHUC.

Segundo esta unidade hospitalar, “situações deste tipo, normalmente, têm de ser tratadas com recurso a amputação de todo o membro, ou em alternativa manter uma atitude de vigilância e incómodo para o doente”.

A alternativa proposta decorreu da experiência acumulada no “tratamento de casos de cancro ósseo ou das neoplasias músculo-esqueléticas, com recurso à excisão dos tecidos afectados (retirada de todos os tecidos com doença maligna) e substituição por uma endoprótese (prótese interna), cirurgia conhecida a nível científico pela denominação de horrendoplastia”.

A cirurgia foi realizada em Outubro de 2018 no Serviço de Ortopedia do CHUC, que é Centro de Referência naquele tipo de cirurgia oncológica, chefiado por Fernando Fonseca, tendo sido executada por uma equipa liderada pelo cirurgião João Paulo Freitas.

O doente, oriunda da grande Lisboa, não aceitou a amputação proposta e procurou o CHUC, que lhe propôs “um tratamento cirúrgico igual ao que se realiza em situações de tumores avançados do aparelho locomotor, mas onde não existem relatos consistentes, na literatura científica internacional, no contexto de infecção periprotésica e óssea”.

A intervenção implicou a excisão completa de metade da pélvis e da totalidade do fémur e a sua posterior reconstrução com uma “megaprótese de hemipelvis e fémur total, concebida e produzida especificamente para o caso clínico em questão”.

Após um tratamento médico e cirúrgico que implicou um internamento de nove meses e duas semanas, “com duas grandes cirurgias (cada uma com uma duração média de 10 horas)”, o doente teve alta hospitalar no sábado, “saindo a andar de forma autónoma, com auxílio de canadianas e de uma ortótese especial que o ajudará a recuperar no seu ambiente familiar”.

De acordo com o CHUC, este caso “é o mais extremo, num conjunto de 17 doentes com situações clínicas idênticas, com idades compreendidas entre os 22 anos e os 79 anos, cuja indicação de tratamento definitivo seria a amputação”.

“Todos eles foram submetidos a um tratamento cirúrgico semelhante, tendo sido este caso o mais complexo (não há ninguém no mundo com uma reconstrução protésica de metade pélvis e fémur completo), mas todos os doentes preservam os seus membros e o mais antigo tem cerca de cinco anos de evolução”, conclui o CHUC.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com