Coimbra  9 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

CIM de Coimbra lança concurso público para estudo sobre a variante à EN17

2 de Fevereiro 2021 Jornal Campeão: CIM de Coimbra lança concurso público para estudo sobre a variante à EN17

O Conselho Intermunicipal da CIM Região de Coimbra aprovou por unanimidade, na reunião de 28 de Janeiro de 2021, o lançamento de concurso público para elaboração do Estudo de Viabilidade para implementação de Variante à EN 17.

Esta decisão visa a contratação da equipa projectista que irá desenvolver o estudo que, em articulação com os municípios que integram a CIM Região de Coimbra, avalie as condições de materialização e o investimento associado de uma via que possa constituir uma variante à EN17, a Sul do IP3, que garanta as condições de acessibilidade aos concelhos do interior da região de Coimbra, uma obra que tem sido uma reivindicação de longa data daqueles concelhos.

Serão estudadas alternativas de traçado e respectivas condicionantes que permitam efectuar uma nova ligação entre o Nó de Ceira da A13 e a Ponte Velha (Lousã), incluindo também a ligação de Vila Nova de Poiares ao IP3/IC6.

Os trabalhos incluirão a realização dos estudos Rodoviário, de Tráfego, Geológico e Geotécnico, Hidrológico, Preliminar de Obras de Arte, Viabilidade Ambiental, Rentabilidade Económica e Cartografia, bem com a Memória Descritiva e Justificativa (incluindo medições e estimativa de custos).

As peças deste procedimento, nomeadamente o Caderno de Encargos e o Programa de Concurso onde estão definidas as condições técnicas dos trabalhos a executar, foram desenvolvidas com o apoio da Infraestruturas de Portugal (IP), que efectuará também o acompanhamento técnico dos trabalhos. Esta cooperação surge na sequência do protocolo celebrado entre a CIM Região de Coimbra e a IP o qual prevê que a IP, para além do apoio técnico, suportará 50 por cento do valor dos encargos com o Estudo de Viabilidade.

O valor base do concurso público é de 200 000 euros, acrescidos de IVA, sendo que os restantes 50 por cento dos custos serão repartidos de igual forma pelos 19 municípios que constituem a CIM Região de Coimbra, sendo o prazo de execução de 270 dias após a celebração do contrato.

Para o presidente da CIM Região de Coimbra, José Carlos Alexandrino, trata-se de um projecto absolutamente estruturante e prioritário para o desenvolvimento e coesão da região de Coimbra, que une todos os 19 municípios, que decidiram “lançar mãos à obra” para que este projecto possa estar em condições de concorrer aos financiamentos comunitários desta década, nomeadamente o Plano de Recuperação e Resiliência e o Portugal 2030.

Assim, tratando-se de uma via estruturante e de carácter intermunicipal, foi assumida pela CIM Região de Coimbra a condução do processo, em estreita articulação com a IP e com os municípios que acompanharão em permanência o desenvolvimento dos trabalhos.