Coimbra  24 de Outubro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Ciclovia para ligar Coimbra à Figueira da Foz custa 3.5 milhões de euros

3 de Agosto 2021 Jornal Campeão: Ciclovia para ligar Coimbra à Figueira da Foz custa 3.5 milhões de euros

Os municípios de Coimbra, Montemor-o-Velho e Figueira da Foz assinaram hoje, dia 3, um contrato para a Comunidade Intermunicipal avançar com a Ciclovia do Mondego, intervenção de 3,5 milhões de euros há muito esperada pela região.

A empreitada que deverá ser lançada até ao final do ano, vai ligar Coimbra à Figueira da Foz, aproveitando todo o vale do Mondego, estando previsto serem infraestruturados 44 quilómetros de ciclovia, referiu o secretário Executivo da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM-RC), Jorge Brito.

A Ciclovia do Mondego, que vai aproveitar os troços urbanos já criados nos três concelhos, deverá estar concluída em 2023, acrescentou, salientando que a candidatura a fundos comunitários já foi submetida.

O presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, recordou que este projecto era “já uma muito antiga aspiração de ligação de mobilidade suave entre Coimbra e o Atlântico”, destacando a valorização do Mondego e das suas margens, mas também a relevância do “ponto de vista ecológico e ambiental”.

A construção da ciclovia esteve prevista em 2011, mas a sua construção acabou por ser suspensa após a empreitada ter perdido as verbas do Quadro Estratégico de Referência Nacional (QREN) que lhe estavam destinadas.

Na altura, a intervenção estava orçada em cerca de seis milhões de euros.

Durante a cerimónia, o secretário executivo da CIM-RC realçou que 80% dos trabalhadores na região deslocam-se em transporte individual, salientando que a Ciclovia do Mondego aposta na ligação entre vários “polos atractores”, como zonas industriais, escolas ou centros de saúde.

Também presente na cerimónia, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, chamou a atenção para a dimensão desta empreitada, realçando que é necessário continuar a apostar em opções de mobilidade que têm baixas emissões poluentes, sendo que “nada é melhor que a mobilidade suave”.

Nesse sentido, notou, o Governo tem disponível uma verba de cerca de 300 milhões de euros para construir mil quilómetros de ciclovias intermunicipais até 2030. “Este é um grande projecto e é mais do que uma ciclovia para se passear”, afirmou.

Também Carlos Monteiro, presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, e José Brito, vice-presidente da CIM-RC, presentes nesta reunião, assinam esta quarta-feira, dia 4, o Auto de Consignação da Empreitada de Execução da Eurovelo 1 da CIM Região de Coimbra.

Esta Rota é uma via ciclável que ligará os concelhos de Figueira da Foz, Cantanhede e Mira, integrando-se na Rota Europeia Eurovelo 1 – Rota da Costa Atlântica, que pertence à rede Europeia de Ciclovias, constituída actualmente por 15 rotas cicláveis de longa distância, que cruzam todo o continente Europeu.

A obra, com um investimento de 2.187.900 euros, visa a ligação ciclável intermunicipal entre os três concelhos do litoral ao longo de 83 quilómetros, apresentando um traçado que aproveitará as estradas florestais e vias cicláveis já existentes, com troços em piso compactado e em piso pavimentado.

Com este projecto, cofinanciado pelo Programa Valorizar e pelo Centro 2020, a CIM Região de Coimbra pretende potenciar as características naturais únicas deste território através da perfeita simbiose com a Costa Atlântica e constituir-se-á como um projecto absolutamente estruturante para a valorização turística, assim como para a mobilidade sustentável da população.