Coimbra  7 de Março de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

CHUC entre as unidades de saúde que vão ser alvo de inspecção às vacinas

5 de Fevereiro 2021 Jornal Campeão: CHUC entre as unidades de saúde que vão ser alvo de inspecção às vacinas

A Inspecção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS) inicia na segunda-feira acções inspectivas a alegadas irregularidades na vacinação contra a covid-19 em Hospitais e Centros de Saúde do Centro.

Um dos abrangidos é o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), onde, desde o início do plano de vacinação contra a covid-19, a Secção Regional do Centro da Ordem dos Enfermeiros diz ter recebido denúncias de alegadas irregularidades.

Segundo, Ricardo Correia de Matos, presidente desta Secção, as queixas referem-se a que terão sido vacinados profissionais que não estão envolvidos na prestação de cuidados a doentes, como foi o caso de um informático, assistentes administrativos ou directores de serviço que não veem doentes.

Na quinta-feira, a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) enviou para o novo coordenador do Plano de Vacinação contra a covid-19 em Portugal, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, uma lista com 1 037 médicos que, na região Centro, estão ainda por vacinar apesar de fazerem parte dos grupos prioritários.

“Perante a gravidade da situação, reportada insistentemente à Ordem dos Médicos, a Secção Regional do Centro assinala que este número poderá estar aquém dos que ainda não integraram a vacinação. A título de exemplo, destes 1 037 médicos que ainda não foram vacinados e nem sequer chamados para tal, 29,89 por cento fazem Urgência. Reportando-nos à mesma lista 65,19 por cento estão no sector privado”, revela a SRCOM.

Agora, sobre a inspecção a realizar, uma fonte oficial adiantou à agência Lusa que os inspectores da IGAS “vão começar o seu trabalho”, nomeadamente em unidades dos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACeS) do Pinhal Litoral e do Baixo Vouga, bem como nas Unidades Locais de Saúde (ULS) da Guarda e de Castelo Branco.

Nesta fase, a intervenção da IGAS abrange “duas situações” suspeitas no Pinhal Litoral, “três casos” no Baixo Vouga e “várias situações” nos distritos da Guarda e Castelo Branco.

“Além destes, serão inspeccionados vários hospitais da região Centro, incluindo o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC)”, informou a mesma fonte, segundo a qual “irão também avançar inspecções” da IGAS “às listagens de lares de idosos” na região, a fim de verificar eventuais irregularidades na selecção dos pacientes prioritários.

A ULS da Guarda, que presta cuidados de saúde primários, diferenciados e continuados, integra o Hospital de Nossa Senhora da Assunção, em Seia, e o Hospital Sousa Martins, na Guarda, além de vários centros de saúde do distrito.

Por sua vez, com igual conceito de gestão, fazem parte da ULS de Castelo Branco o Hospital Amato Lusitano, na capital de distrito, e diversos Centros de Saúde nos municípios vizinhos.

Na quinta-feira, o Ministério Público (MP) anunciou que delegou na Polícia Judiciária a investigação de irregularidades com o plano nacional de vacinação contra a covid-19 e na sequência da instauração de diversos inquéritos.

“A Procuradora-Geral da República, após articulação com o director nacional da Polícia Judiciária, recomendou a ponderação de delegação de competências para investigação dos inquéritos com o referido objecto, concentradamente na Polícia Judiciária, por forma a potenciar um tratamento uniformizado e maior agilização na articulação com as inspecções setoriais”, informou o MP.

Na semana passada, a IGAS encetou um processo de inspecção para verificar o cumprimento das normas e orientações aplicáveis ao processo de administração da vacina contra a covid-19.

Esta inspecção abrange as cinco Administrações Regionais de Saúde (ARS), entidades hospitalares do sector público empresarial do Estado, entidades hospitalares do sector público administrativo, hospitais privados, hospitais do sector social, Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e a Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS).