Coimbra  28 de Fevereiro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Centros de saúde vão aliviar as urgências hospitalares

22 de Junho 2017 Jornal Campeão: Centros de saúde vão aliviar as urgências hospitalares

A partir de agora, os centros de saúde vão poder dar respostas mais rápidas aos utentes a fim de aliviarem as urgências hospitalares.

A inovação prevê a realização de análises e de determinados exames e tratamentos específicos para situações menos exigentes do ponto de vista clínico.

“Queremos que os utentes tenham um papel mais activo na gestão da sua doença e da saúde, precisamos que estejam mais bem informados e, por sua vez, que os cuidados de saúde primários se encontrem mais disponíveis, estabelecendo outra relação com os cuidados hospitalares”, disse o secretário de Estado Fernando Araújo.

Algumas destas novas valências dos centros de saúde já arrancaram, outras vão sendo lançadas ao longo do ano, disse o governante.

Um dos objetivos do projecto consiste em os pacientes com doença aguda ou uma situação repentina – sem aparente risco de vida – passarem a preterir a urgência hospitalar, indicou Fernando Araújo.

Segundo o secretário de Estado, o projecto “SNS + Proximidade” visa conferir mais capacidades aos utentes para entenderem a doença que os aflige e/ou para prevenirem outras.

Por esse motivo, alguns espaços de atendimento de centros de saúde serão requalificados, aprimorando as instalações e utilizando esses locais para a promoção da literacia em saúde.

“Um dia destes, vamos prescrever a literacia, ou seja, juntamente com a receita médica irão documentos para habilitarem o paciente a conhecer melhor a sua doença”, prometeu o governante.

Outra das novidades é a criação de um Plano Individual de Cuidados (PIC), com que o paciente poderá registar os seus problemas, objectivos e metas a atingir.

“Temos de tornar os utentes capazes de produzir saúde, evitar a doença e gerir as doenças crónicas”, advertiu o secretário de Estado.

De acordo com Fernando Araújo, se a população só continuar a pensar nas maleitas e nos tratamentos, o Serviço Nacional de Saúde não terá dinheiro quanto baste, sendo indispensável evitar a doença com estilos de vida recomendáveis.