Coimbra  26 de Janeiro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Centro de Arte Contemporânea de Coimbra acolhe nova sessão do ciclo de conversas

3 de Dezembro 2020 Jornal Campeão: Centro de Arte Contemporânea de Coimbra acolhe nova sessão do ciclo de conversas

É já esta sexta-feira (04) que se realiza a segunda sessão do ciclo de conversas promovido no âmbito da exposição inaugural do Centro de Arte Contemporânea de Coimbra (CACC).

A mostra de estreia deste espaço cultural – intitulada “De que é feita uma colecção? Corpo e Matéria” – inclui sessões de conversa e reflexão, cuja segunda sessão, amanhã (04), pelas 16h30, vai reunir críticos de arte, que “vão trazer ao debate um conjunto de referências sobre os desenvolvimentos que o conceito de colecção de arte contemporânea tem sofrido no país”. Nela serão intervenientes Celso Martins, professor universitário e crítico de arte do “Jornal Expresso”, e Isabel Nogueira, ensaísta e investigadora universitária e crítica de arte da “Revista Contemporânea”.

A exposição “De que é feita uma colecção? Corpo e Matéria”, com curadoria de David Santos e José Maças de Carvalho, está patente até 31 de Janeiro, e este ciclo de conversas “prevê a realização de quatro sessões, contando com testemunhos de curadores, críticos, coleccionadores e pensadores do processo de criação e produção artística”. “A ideia passa por reunir um conjunto de entendidos em matérias artísticas, cuja acção e experiência possam testemunhar sobre a natureza complexa e sempre idiossincrática de cada colecção ensaiando, assim, algumas hipóteses de resposta ao título da própria exposição”, revela a Câmara Municipal de Coimbra.

A primeira sessão do ciclo teve lugar a 12 de Novembro, às 16h30, e trouxe à conversa curadores que trabalharam colecções institucionais e privadas, herdadas ou construídas em grande medida pelos próprios, para melhor compreender a natureza da colecção que agora está à guarda do Município de Coimbra.

A vereadora da Cultura, Carina Gomes, abriu a sessão, que contou com a participação de Sandra Vieira Jürgens (curadora, ensaísta e professora universitária), Miguel Von Hafe Pérez (curador e ensaísta) e António Pedro Pita (filósofo e professor universitário), e foi moderada pelos curadores David Santos e José Maçãs de Carvalho.

Esta segunda sessão vai ser, igualmente, moderada por David Santos e José Maçãs de Carvalho e, à semelhança da primeira, será transmitida na página do Youtube da Câmara de Coimbra (https://www.youtube.com/channel/UCPFR_M9mVthLlVQbxcAIrig/featured) e no Facebook do Centro de Arte Contemporânea de Coimbra (https://www.facebook.com/centroartecontemporaneacoimbra).

“O Município de Coimbra pretende, com esta iniciativa, aprofundar um dos desígnios fulcrais da colecção de arte que o novo equipamento cultural alberga, pondo em diálogo vozes distintas e leituras diferenciadas sobre a questão que orientou a abertura do Centro de Arte Contemporânea de Coimbra: afinal, “De que é feita uma Coleção?”, revela.

Seguem-se novas sessões nos dias 15 e 30 de Janeiro de 2021 e todas serão transmitidas no Youtube doMunicípio e no Facebook do Centro de Arte Contemporânea de Coimbra.

Recorde-se que o CACC, o mais recente equipamento cultural municipal, localizado na rua Ferreira Borges (junto ao Arco de Almedina), foi inaugurado a 4 de Julho de 2020 e acolherá, faseadamente, as 193 obras da Colecção de Arte Contemporânea do Estado, que faziam parte da colecção do extinto BPN. Uma colecção essencialmente de artistas portugueses consagrados, de várias épocas e gerações, que veio enriquecer o património artístico, a oferta cultural de Coimbra e transformar a cidade numa referência ao nível da arte contemporânea.

Na exposição “De que é feita uma colecção? Corpo e Matéria” – a primeira de uma série de três exposições integradas no ciclo “De que é feita uma colecção?”, com curadoria de David Santos e José Maçãs de Carvalho – são exibidas 27 obras de pintura, escultura e fotografia que representam exemplos na abordagem dos conceitos “corpo” e “matéria”.

Estão presentes obras de artistas como Allan Sekula; Amadeo de Souza-Cardoso; Ana Vidigal; Antoni Muntadas; António Dacosta; Carlos Calvet; Douglas Gordon; Eduardo Batarda; Eduardo Nery, Helena Almeida, João Louro, João Loureiro, João Pedro Vale, João Penalva; João Tabarra; John Baldessari; Julião Sarmento; Júlio Pomar; Maria Helena Vieira da Silva; Mário Cesariny; Paula Rego; Pedro Casqueiro; Rui Chafes; Vasco Araújo; entre outros.