Coimbra  25 de Novembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Centro de Arte Contemporânea de Coimbra abre hoje ao público às 18h00

4 de Julho 2020 Jornal Campeão: Centro de Arte Contemporânea de Coimbra abre hoje ao público às 18h00

O Centro de Arte Contemporânea de Coimbra é inaugurado hoje, Dia da Cidade e feriado municipal, numa cerimónia às 15h00 onde estarão presentes o presidente da Câmara, Manuel Machado, e a ministra da Cultura, Graça Fonseca.

Devido às condicionantes impostas pelas medidas de contenção da pandemia, para evitar grandes aglomerados de pessoas, a visita ao público em geral será permitida a partir das 18h00 e até às 20h00 e será gratuita.
No domingo, 05 de Julho, as entradas também serão gratuitas e as visitas podem ser realizadas das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

Este novo equipamento cultural Municipal situa-se num edifício junto ao Arco da Almedina, no coração da cidade, e resulta de um trabalho conjunto entre a CM Coimbra e o Ministério da Cultura. O edifício, que foi reabilitado, acolhe agora as 193 obras da Colecção de Arte Contemporânea do Estado, que faziam parte da ex-colecção BPN.

O programa curatorial inaugural deste novo Centro de Arte Contemporânea é da autoria dos curadores David Santos e José Maçãs de Carvalho e arranca com o ciclo “De que é feita uma Colecção?” e com uma primeira exposição de uma série de três, intitulada “Corpo e Matéria”, que apresenta 27 obras da referida colecção.

Os curadores convidados pensaram a programação em função de várias exposições autónomas, orientadas cada uma por um eixo de diálogo conceptual. Estes eixos estarão, por sua vez, organizados sob um título geral que procurará atrair e consciencializar os visitantes sobre a importância e a novidade das grandes obras desta colecção, dando assim a conhecer ao público em geral o valor de um conjunto que seguramente irá enriquecer o património artístico e a oferta cultural da cidade de Coimbra ao nível da arte contemporânea.

A primeira exposição do ciclo “De que é feita uma colecção?”, definida sob a amplitude dos conceitos “corpo” e “matéria” (com larga tradição na história da arte) pretende relacionar obras de pintura, escultura e fotografia que representam exemplos diferenciados na abordagem desses conceitos, traduzidos quer por elementos figurativos ligados à representação do “corpo” humano, quer por elementos idiossincráticos e de natureza mais abstracta que remetem para a interpretação do “corpo” disciplinar aí apresentado.

Nesse mesmo âmbito, surgem ainda obras onde o valor “matérico” da sua manifestação visual converte o conjunto numa verdadeira pluralidade imagética, técnica e processual, criando na sua relação inúmeras analogias e aproximações de carácter estético e artístico.

Essa leitura de carácter dialéctico, entre conjuntos e intervalos de valores, favorece igualmente a análise comparativa entre obras de diferentes períodos históricos recentes, desde o primeiro modernismo à mais disruptiva contemporaneidade.

Com este primeiro conjunto de obras, o público terá a oportunidade de reconhecer de imediato o valor artístico da maioria das peças que constituem a Colecção do Centro de Arte Contemporânea de Coimbra e a promessa de qualidade futura do projecto curatorial que aí se anuncia enquanto programa, pensado e traduzido em várias exposições.

Nesta primeira exposição estarão artistas como Allan Sekula, Amadeo Souza Cardoso, Ana Vidigal, Antoni Muntadas, Douglas Gordon, Helena Almeida, João Louro, João Loureiro, João Tabarra, John Baldessari, Julião Sarmento, Júlio Pomar, Maria Helena Vieira da Silva, Paula Rego ou Rui Chafes, entre outros.