Coimbra  13 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Cemitério de Torres do Mondego começa a ser ampliado

3 de Maio 2021 Jornal Campeão: Cemitério de Torres do Mondego começa a ser ampliado

A obra de ampliação do cemitério de Torres do Mondego foi hoje (03) consignada. Esta empreitada é financiada pela Câmara Municipal (CM) de Coimbra, que delegou competências na Junta de Freguesia de Torres do Mondego para que avançasse com os procedimentos para a execução da obra. Um investimento de cerca de 120 mil euros, que se integra num total de meio milhão de euros com o qual a CM Coimbra vai promover também as ampliações dos cemitérios de Ceira, Ameal e São Martinho de Árvore, correspondendo assim a uma ambição antiga destas populações.

O presidente da CM Coimbra, Manuel Machado, o presidente da Junta de Freguesia de Torres do Mondego, Paulo Cardoso e o vereador Carlos Cidade participaram ao final da manhã de hoje na consignação da empreitada de ampliação do cemitério de Torres do Mondego.

A obra, financiada pela Câmara de Coimbra em 130 360 euros (IVA incluído), foi lançada pela respectiva Junta de Freguesia ao abrigo de um contrato de delegação de competências outorgado em Novembro de 2020. Esta empreitada vai possibilitar que o cemitério de Torres do Mondego tenha um acréscimo de 89 campas, repartidas por três talhões. A obra vai ser realizada pela firma Engiperfil, Lda., que tem um prazo de 120 dias para conclusão da mesma.

Esta ampliação insere-se num investimento global superior a meio milhão de euros, com os quais a CM Coimbra pretende dar resposta às ambições antigas também das populações de Ceira, Ameal e São Martinho de Árvore que vão ter os seus cemitérios ampliados. As obras vão ser realizadas pelas respectivas Juntas de Freguesia, a quem compete avançar com os procedimentos para a sua execução, depois dos contratos de delegação de competências já terem sido formalizados em Novembro.

A obra no cemitério de Ceira, que arrancou a 09 de Abril, vai permitir um acréscimo de 144 campas, repartidas por dois talhões e representa um investimento de 158 983 euros (IVA incluído).

Já a intervenção no cemitério de São Martinho de Árvore, que arrancou a 20 de Março, representa um investimento de 83 838 euros (IVA incluído) e que vai possibilitar que este cemitério tenha um acréscimo de 135 campas, repartidas por três talhões.

Por fim, a intervenção no cemitério do Ameal também já arrancou, no dia 22 de Fevereiro, representa um investimento de 142 044 euros (IVA incluído) e vai permitir mais cerca de 140 campas, repartidas por dois talhões.

Os cemitérios ficarão com uma capacidade para um período superior a 50 anos e todas as minutas dos contratos que foram outorgados sublinham que as Freguesias ou Uniões de Freguesias não podem autorizar a concessão de terrenos dos cemitérios para a construção de jazigos ou instalação de sepulturas perpétuas.