Coimbra  26 de Fevereiro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Ceirarte volta a reunir e a promover o melhor da freguesia

7 de Junho 2017 Jornal Campeão: Ceirarte volta a reunir e a promover o melhor da freguesia

A 26.ª edição da Ceirarte – Exposição e Feira de Artesanato volta na próxima semana, de 15 a 18 de Junho, na Casa do Povo da freguesia.

O certame, que foi apresentado hoje, vai contar com “o figurino habitual”, focando-se no artesanato, na música e na gastronomia locais, de forma a potenciar o que de melhor existe na freguesia de Ceira.

Além disso, destacam-se, como habitualmente, os cursos socioculturais da freguesia, bem como o convívio de pesca desportiva e a IV edição da prova de milha urbana.

Fernando Santos, presidente da Junta de Freguesia, explicou que a estrutura da Feira será idêntica à dos anos anteriores, “até pela falta de espaço que existe”, sublinhando a presença de 23 stands de artesanato e outros tantos, localizados no centro do recinto, dedicados à exposição dos trabalhos dos cursos socioculturais, que são “uma marca e valorizam a freguesia de Ceira e a Ceirarte”.

Quanto às novidades desta edição, o édil destacou a aposta na “prata da casa” para completar o cartaz da programação e o cariz solidário que a Ceirarte terá este ano, com a realização da II Caminhada Solidária “O que nos Liga”. A animar o cartaz estarão o conjunto típico “Acordas & Vira”; a Filarmónica da ARMC e o grupo “Copo & Bucha”; e a banda “Diabo a Sete”.

O autarca sublinhou, ainda, a parte desportiva, com a milha urbana e o Festival de Folclore, que são já “um marco da Ceirarte”. A prova de atletismo tem, aliás, vindo a conquistar cada vez mais adeptos, com números “de louvar” e que se espera que aumentem este ano, para que a milha da Ceirarte “vá ganhando outra dimensão”.

As instalações da Casa do Povo de Ceira, que foi recentemente remodelada, são o recinto principal da festa, dando-lhe agora “melhores condições e mais dignidade”, referiu Santos Costa, representante da instituição.

O convívio de pesca desportiva, uma referência no certame, é promovido pela Casa do Povo, contudo, não visa a competição, mas sim a “sensibilização dos participantes para a importância do meio ambiente e para o cuidado que se deve ter para com as actividades praticadas no rio”, salientou Santos Costa.

Em relação à milha urbana, que vai já na sua 4.ª edição e sempre em crescendo, António Oliveira, da Escola de Atletismo do Centro Popular de Trabalhadores do Sobral de Ceira, adiantou as características da prova, que terá 1609 metros, e que pode ser “uma oportunidade para os atletas mais experientes correrem junto das populações, algo que habitualmente não fazem”.

A milha urbana começou com pouco mais de 100 atletas, no ano passado os participantes chegaram aos 300 e a ambição, para 2017, é poder chegar aos 360.

Outro dos destaques incontornáveis da Ceirarte é o Festival de Folclore, que vai já na sua 37.º edição e tem organização do anfitrião, o Grupo Folclórico da Casa do Povo de Ceira. “Trabalhamos sempre para trazer grupos de qualidade até à Ceirarte, até porque a freguesia já nos faz essa exigência”, explicou José António, do Grupo de Ceira.

Este ano, o Festival vai contar com a participação do Grupo Regional Folclórico e Agrícola de Pevidém (Guimarães); do Grupo Folclórico da Casa do Povo de Fátima; do Grupo Folclórico da Região de Ovar; e do Rancho Folclórico Ceifeiras e Campinos de Azambuja (Ribatejo).

Na apresentação do certame esteve, também, presente o vereador Carlos Cidade que realçou “as características muito específicas em termos de orografia desta freguesia, que condiciona o desenvolvimento de certas actividades, tendo as gentes da terra encontrado soluções para se desenvolver de outra forma” e daí a importância do certame já se realizar há 26 anos. O autarca afirmou mesmo que “Ceira deu um contributo muito importante para que outras freguesias, com as mesmas características, tivessem eventos como estes”.

Carlos Cidade deu, ainda, relevo à componente desportiva, com um peso importante para o atletismo da cidade e do país; ao Grupo Folclórico, “uma referência na dança e nas tradições a nível nacional, bem como ao papel da Casa do Povo, uma das mais dinâmicas do concelho, “que se soube modernizar e rejuvenescer sem nunca perder a identidade”.

(Na foto – da esquerda para a direita: Santos Costa, da Casa do Povo de Ceira; Carlos Cidade, vereador da Câmara Municipal de Coimbra; Fernando Santos, presidente da Junta de Freguesia; António Oliveira, da Escola de Atletismo; e José António, do Grupo Folclórico da Casa do Povo de Ceira)