Coimbra  7 de Outubro de 2022 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

CEARTE é parceiro da organização da Bienal Artes & Ofícios e Novo Design

22 de Setembro 2022 Jornal Campeão: CEARTE é parceiro da organização da Bienal Artes & Ofícios e Novo Design

O CEARTE é parceiro na organização da Bienal Artes & Ofícios e Novo Design que está a decorrer em Oeiras, até domingo, dia 25.

A Bienal é realizada pela Spira – Revitalização Patrimonial, sendo a curadoria Mostra, da Conferência Internacional e das Curtas da responsabilidade da Passa Ao Futuro (uma associação cultural sem fins lucrativos dedicada à preservação do Património Imaterial e da herança cultural associada aos artesãos e artífices portugueses).

A programação arrancou com uma conferência internacional, que contou com a presença de especialistas oriundos de Portugal, Estados Unidos, Suíça, Alemanha, Itália e França. Durante a sessão foram debatidas as “artes & ofícios no século XXI – estratégias para o agora”, com painéis dedicados às políticas de apoio ao artesanato; estratégias de activação e o papel da documentação; educação e formação; e estratégias de resiliência económica.

O CEARTE apresentou, pelo seu director e directora adjunta, comunicação intitulada “Qualificar, Certificar e apoiar o artesanato e património em Portugal” no painel “Políticas de apoio ao artesanato”. A conferência, além de especialistas de diferentes países, contou com figuras e projectos de renome no sector em Portugal, como Catarina Portas (A Vida Portuguesa e Depozito), Dália Paulo (Loulé Criativo), Graça Ramos (Portugal à Mão), Fatima Durkee (Passa ao Futuro) e Alice Bernardo (Saber Fazer), entre outros.

De 22 a 25 decorre, no Mercado Municipal de Oeiras uma mostra, com mais de 30 expositores seleccionados e representantes dos vários ofícios existentes nas várias regiões do país” e decorrem diferentes workshops e masterclasses, actividades de educação patrimonial e exibição de curtas-metragens.

O CEARTE terá um stand divulgando a sua vasta oferta formativa no artesanato e património, e desenvolverá, hoje, duas oficinas de demonstração/interactividade abertas ao público:

  • oficina de olaria, com demonstração de trabalho na roda de oleiro, onde, para além do formador, o público que esteja interessado, poderá experimentar o “puxar” de uma peça na roda de oleiro

  • – Oficina de estampagem têxtil: demonstração de técnicas de estampagem têxtil (carimbos) onde o público poderá executar a decoração de uma pequena peça têxtil que poderá levar para casa como recordação.

Sublinhe-se que, As Artes & Ofícios, em conjugação com o Novo Design, representam uma oportunidade de desenvolvimento harmonioso e sustentável em matéria económica, social e cultural dos diversos territórios europeus. São, em última análise, ferramentas inultrapassáveis para o cumprimento dos benefícios procurados pela New Bauhaus Europeu, assim como para o alcance de alguns dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Esta é igualmente e de forma particularmente significativa a realidade de Portugal: tanto pela forma equitativa quanto estes saberes estão dispersos pelo país; como pelo facto de se tratar de uma prática gestora dos recursos endógenos com evidentes preocupações de sustentabilidade, mesmo que empíricas; como ainda por reunir saberes de pessoas seniores, particularmente desvalorizadas na sociedade actual quando o seu número é crescente à escala europeia; como, por fim, por permitir uma mescla feliz com a inovação trazida pelos mais novos, tanto no campo dos materiais, como do design, como das formas de consumo e distribuição.

Uma nova geração de urbanos conduzidos pela procura de uma existência mais sustentável tem reativado, nomeadamente através de novo design, práticas adormecidas ou novas abordagens inspiradas nas precedentes, construindo aquele que, em parte, virá a ser património do futuro.

Activar assim as Artes & Ofícios no campo da formação e das práticas, no aportar valor acrescentado para os territórios e para quem produz estes bens, na criação de cadeias de distribuição efectivas e consistentes e, ainda, no desenvolvimento de uma nova frente de criação de destino turístico são desafios que se colocam de forma particularmente premente na próxima década, especialmente a países com as características económicas e sociais de Portugal. Uma realidade identificada tanto no Plano de Recuperação e Resiliência, quanto na Estratégia Turismo 2027, como ainda na Estratégia Nacional do Saber Fazer Português.