Coimbra  25 de Maio de 2022 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Casa do Cinema de Coimbra com filmes selecionados para o LUX

1 de Maio 2022 Jornal Campeão: Casa do Cinema de Coimbra com filmes selecionados para o LUX

A Casa do Cinema de Coimbra, em parceria com o Parlamento Europeu, recebe nos dias 9, 10 e 11 de Maio, às 18h30, três sessões dos filmes seleccionados para o LUX – Prémio do Público 2022.

O LUX – Prémio Europeu do Público para o Cinema (abreviado: LUX Prémio do Público) foi criado em 2020 e é atribuído, anualmente, pelo Parlamento Europeu e pela European Film Academy, em parceria com a Comissão Europeia e a Europa Cinemas.
O prémio visa reforçar os laços entre a política e os cidadãos, convidando os espectadores europeus a tornarem-se protagonistas activos votando nos seus filmes favoritos (até 25 de Maio em luxaward.eu/voting).

A entrada para assistir é gratuita.

No dia 9, pelas 18h30, decorre o FLEE: A FUGA de Jonas Poher Rasmussen (89′, Dinamarca/Suécia/Noruega/França, M/12).

Amin Nawabi (pseudónimo), um académico de sucesso com 36 anos de idade, debate-se com um doloroso segredo que manteve escondido durante 20 anos, um segredo que ameaça pôr em causa a vida que construiu para si próprio e para aquele que, em breve, será seu marido. Amin conta, pela primeira vez, a história da sua extraordinária viagem como criança refugiada do Afeganistão ao realizador Jonas Poher Rasmussen, seu amigo próximo e colega de liceu, recorrendo sobretudo à animação para proteger a sua identidade.

No dia 10, à mesma hora, é exibido o GREAT FREEDOM de Sebastian Meise (116′, Áustria/Alemanha, M/16).

Na Alemanha do pós-guerra, Hans é repetidamente preso por ser homossexual. O seu desejo de liberdade é frustrado de forma sistemática ao ser considerado culpado de infringir o artigo 175.º do Código Penal alemão. A única relação estável na sua vida passa a ser o seu companheiro de cela de longa data, Viktor, um assassino condenado. O que começa como um sentimento de repulsa transforma-se progressivamente em amor.

Já no último dia (11), também às 18h30, é a vez de QUO VADIS, AIDA? de Jasmila Žbanić (101′, Bósnia/Áustria/Roménia/Holanda, M/14).

Bósnia Herzegovina, 11 de julho de 1995. Aida trabalha como tradutora para as Nações Unidas na pequena cidade de Srebrenica. Quando o exército sérvio ocupa a cidade, a sua família está entre os milhares de civis em busca de proteção no campo das Nações Unidas. Estando por dentro das negociações, Aida tem acesso a informações cruciais que precisa de interpretar. Que destino aguarda a sua família e as pessoas – o salvamento ou a morte? O que deve ela fazer?