Coimbra  17 de Novembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Cardiologia: Coimbra ficou para trás no tratamento da estenose aórtica

11 de Julho 2019

O coordenador do Registo Nacional de Cardiologia de Intervenção (RNCI) lamentou, hoje, que Coimbra não tenha acompanhado o crescimento nacional do tratamento “minimamente invasivo” da estenose aórtica, que afecta maioritariamente pessoas com mais de 70 anos.

Em declarações à agência Lusa, o cardiologista de intervenção Rui Campante Teles disse que, em Portugal, só o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) não efectua o implante da válvula aórtica percutânea (VAP), que é um procedimento minimamente invasivo, por cateter, com grandes vantagens em relação à cirurgia de peito aberto.

“A cirurgia cardíaca de Coimbra na última década foi ficando para trás na inovação tecnológica e técnica. Neste momento, não dispõe de um tratamento em que tinha de haver uma simbiose de comunicação entre a cardiologia e a cirurgia cardíaca e essa comunicação não foi estabelecida”, lamentou.

Segundo o médico, cardiologista de intervenção no Hospital de Santa Cruz (Lisboa), o polo principal do CHUC dispõe dos equipamentos tecnológicos e de profissionais de saúde qualificados para aquele tipo de procedimentos, mas que, “por motivos relacionados com gestão financeira, não tem havido essa capacidade”.

“Há médicos, infraestrutura e pessoas treinadas, mas as pessoas continuam a fazer 200 quilómetros entre Coimbra e Lisboa para serem tratadas”, sublinhou Rui Campante Teles, referindo que “hoje em dia não faz sentido o CHUC não realizar aquele tipo de intervenções”. Para o especialista, “seria como andar de carro e não haver ar condicionado”.

A estenose aórtica é uma deficiência cardíaca provocada pelo desgaste da válvula aórtica do coração, que vai estreitando e impede o fluxo sanguíneo para fora do coração. Se não for tratada atempadamente, provoca a morte a metade dos doentes dois anos depois dos primeiros sintomas.

O tratamento “minimamente invasivo” da estenose aórtica iniciou-se em Portugal em 2007, no Hospital de Gaia, e foi-se estendendo gradualmente pelo território nacional e região da Madeira, exceptuando o CHUC.

Em 2018, segundo o coordenador do RNCI, registou-se um crescimento de 20 por cento no número de procedimentos realizados em Portugal.

De acordo com os dados do RNCI, o ano passado foram realizados 62 procedimentos por milhão de habitante (640 intervenções), quando em 2017 se situava em sete procedimentos por milhão de habitantes.

“Desde 2007 que a técnica menos invasiva por cateterismo tem singrado no mundo inteiro. Inicialmente dirigida a núcleo de doentes com risco acrescido, neste momento todo o doente pode ser tratado por esta via, que tem uma recuperação muito mais célere”, frisou.

“É uma técnica muito segura, mais do que a cirurgia, sendo que com pessoas octogenárias tem sempre riscos que não são irrelevantes. A taxa de mortalidade destes procedimentos é de três a cinco por cento aos 70 dias, mas normalmente nós não temos este tipo de situação”, acrescentou.

Salientando que esta técnica “é considerada o grande avanço da cardiologia da última década”, Rui Campante Teles prevê uma duplicação das necessidades nos próximos dois anos, embora se mostre preocupado com a falta das salas hemodinâmicas e recursos humanos.

Para aumentar a consciencialização para a estenose aórtica, que é uma doença pouco conhecida, a Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) está a promover a campanha “Corações de Amanhã”, que conta com o alto patrocínio do Presidente da República.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com