Coimbra  22 de Setembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Capital da Cultura: Coimbra alheia-se de eventuais desistências

12 de Outubro 2018

Luís de Matos (ao centro) ladeado por Nuno Freitas; Luís Filipe Menezes; Cristina Robalo Cordeiro; Carina Gomes; António Pedro Pita e Manuel Rocha

 

O coordenador da candidatura de Coimbra a Capital Europeia da Cultura / 2027 afirmou, hoje, que ela deve alhear-se de eventuais desistências de cidades portuguesas aspirantes a acolher o evento.
Questionado pelo “Campeão” sobre se o grupo de trabalho por ele encabeçado encara a hipótese de persuadir outras candidatas a abdicar, Luís de Matos disse considerar útil que se perfilem, por exemplo, Aveiro, Leiria e Guarda.
Ao demarcar-se da tese de que a candidatura de Coimbra poderá beneficiar de desistências, o mágico opinou que, nesta fase, não seria desejável nem positivo haver urbes a abdicar da pretensão de acolher o evento.

“No dia em que ganhar o título [de Capital Europeia da Cultura], Coimbra englobará todas as outras cidades da região”, garante Luís de Matos, opinando ser “altamente positivo que muitas criem condições de reflexão”.
A “união (…) em torno de um objectivo comum, histórico e inadiável”, é uma das premissas do grupo de trabalho incumbido pela Câmara Municipal de Coimbra (CMC) de reunir condições para, dentro de cinco anos, o estatuto de Capital Europeia da Cultura / 2027 ser atribuído à cidade.
Cabe a todos “reflectir sobre o que se impõe e, por isso também, esta candidatura deverá ser inclusiva, mobilizadora e apaixonada”, declarou Luís de Matos.
“Desde a primeira hora dissemos que esta candidatura não se deveria esgotar naquilo que de essencial acontecerá em 2027, procurando, acima de tudo, motivação no que desejamos que a nossa região seja a partir de 2028”, acrescentou o mágico.
Questionado pelo portal Notícias de Coimbra, o coordenador do sobredito grupo de trabalho disse que irá desfrutar de uma “compensação simbólica”, a título de remuneração, correspondente ao montante do vencimento de um director municipal no horizonte de dois anos.
“É impossível atribuir um preço à dedicação” de cada um dos membros do elenco constituído pela CMC, concluiu Luís de Matos, que se encontrava acompanhado pela vereadora da Cultura da principal autarquia de Coimbra, Carina Gomes (eleita pelo PS).

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com