Coimbra  20 de Maio de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Cantanhede: Expofacic proporciona 11 dias inesquecíveis

26 de Julho 2018

O Parque Expo-Desportivo de S. Mateus abriu as suas portas, hoje, pelas 17h00, para acolher a 28.ª edição da Expofacic – Feira Agrícola, Comercial e Industrial de Cantanhede, que decorrerá até 05 de Agosto.

Apostando sempre na reinvenção a cada edição, a Expofacic é hoje uma das maiores “feiras-festas” do país,, atrai visitantes portugueses e não só, tendo chegado, pelas contas da organização, perto das 400 000 pessoas em 2017.

Num certame que conta já com 28 anos, as inovações não são fáceis de conseguir, mas é isso que a Comissão Organizadora pretende continuar a fazer: “inovar e renovar os factores de atractividade”, focando-se em quatro eixos essenciais: música, negócios, gastronomia e exposições. “É a qualidade e variedade da oferta nessas vertentes que entusiasma públicos de todas as idades”, explicou Helena Teodósio, presidente da Câmara Municipal de Cantanhede e da Comissão Organizadora, aquando da apresentação oficial da Expofacic.

O novo presidente da INOVA, Idalécio Oliveira, destacou a notoriedade da feira, garantindo que a intenção é que “se continue a afirmar como a maior e melhor do país”. O responsável realçou, ainda, que “o modelo próprio do certame tem elevados níveis de adesão do público e um interesse crescente, por ser um evento de carácter transversal a todas as idades”.

“A Expofacic é, indiscutivelmente um evento que traz importantes benefícios, nomeadamente os que decorrem da enorme projecção que proporciona ao concelho na divulgação do seu potencial económico e da sua dinâmica social”, adiantou Helena Teodósio.

O orçamento da Expofacic para 2018 é de 1,6 milhões de euros, mais 107 000 do que na edição anterior, sendo que o recinto continua com perto de 10 hectares (95 500 metros quadrados), pelos quais são distribuídos os seus nove sectores (comercial, industrial e serviços; automóvel; gastronómico; zona verde; educação e saúde; feira popular; agrícola; exposições e o espaço ‘lounge’/’street food’).

Os sete palcos trarão música às diversas zonas do recinto, esperando a organização que os visitantes ultrapassem os 400 000.

Uma das tradições que continuam nesta edição são os dias temáticos, dedicados ao agricultor (sábado, 28); às comunidades portuguesas (domingo, 29); à floresta (01 de Agosto, quarta-feira); ao empresário (03 de Agosto, sexta-feira); ao ambiente – Dia Verde (04 de Agosto, sábado); e ao expositor (05 de Agosto, domingo).

Os bilhetes, à venda nas seis bilheteiras do recinto e na Internet, custam quatro euros (diário) e 10 euros (apenas para dia 04 de Agosto), sendo que o passe geral tem o custo de 35 euros.

 

Música

expofacic 24

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exposições

A grande atracção deste ano é a exposição “Titanic – a reconstrução”, localizada numa tenda de cerca de 1 500 metros quadrados, e que se estreia em Portugal com o apoio do Exploratório – Centro de Ciência Viva de Coimbra e da Fundação Titanic.

A ideia desta mostra, que se apresenta pela primeira vez em Portugal, é envolver o visitante na primeira e única viagem do Titanic. A exposição tem início na construção do navio, passa, depois, pela vivência a bordo (como o embarque, as festas, etc.), mostrando os vários espaços que compunham o cruzeiro, bem como as comunicações a bordo durante o naufrágio. A exposição será interactiva, com cheiros e elementos decorativos, alguns reproduções das peças originais (por exemplo, a réplica de uma casa-de-banho da 2.ª classe que tem a assinatura de Barack Obama – patrono da Fundação Titanic). A projecção de um documentário sobre o naufrágio e a maquete, em grandes dimensões (a segunda maior do mundo), do navio são outras das atracções desta exposição única.

No final da “viagem”, os “passageiros” poderão encontrar o “Carro do Titanic”, um automóvel da marca Brush Runabout Company (de 1909), que, na altura, seria o mais rápido do mundo (37 km/h). O veículo, deveria ter embarcado no Titanic, se este tivesse chegado a fazer a viagem Nova Iorque – Europa, foi entretanto restaurado pela Fundação Titanic e é o mais antigo do mundo ainda em funcionamento.

A par disso estarão em exposição as peças de vidro dos mestres da Marinha Grande, bem como as tradições seculares associadas ao Santo António. As habituais exposições dedicadas ao mundo aquático e às espécies exóticas continuam, também, a ter o seu lugar na Expofacic.

Gastronomia

Associações e colectividades do concelho e não só mostram o melhor da gastronomia portuguesa, em particular a gandaresa, e de S. Tomé e Príncipe, que ocupa um das 47 tasquinhas. Este sector inclui, ainda, espaços dedicados a petiscos como o pão com chouriço, as pizzas, os doces regionais, os presuntos, os enchidos, os queijos ou o porco no espeto.

Estreada o ano passado, a ‘street food’ volta a ter o seu local junto à zona que acolhe os principais concertos e ganha, este ano, um palco. A “comida de rua” e o mobiliário urbano para relaxar e descansar é a grande mais-valia desta zona do recinto.

 

Negócios

Na vertente dos negócios, destaque para os perto de 500 expositores presentes no certame e distribuídos por 95 500 metros quadrados de área, dividida nos habituais sectores das anteriores edições (área automóvel, comercial, industrial e serviços, bem como os espaços reservados ao artesanato nacional e internacional e os produtos regionais).

Aqui pode incluir-se, também, a área agrícola, com 60 espaços, entre stands dedicados a equipamento agrícola e uma mostra de animais bastante grande e diversificada. É, também, aqui que se encontra o Picadeiro (com cerca de 1 500 metros quadrados), com um programa de animação diário próprio.

 

Educação

O pavilhão destinado à educação acolhe as diversas instituições ligadas ao ensino, formação profissional e saúde do concelho. O espaço também um dos palcos deste certame, onde crianças e jovens mostram o que sabem fazer

Zona Verde

O relvado, além de acolher um dos sete palcos da Expofacic, é totalmente dedicado aos mais novos, com vários insufláveis, actividades lúdicas, oficinas de trabalhos manuais, ateliers de pintura, entre outras iniciativas

Feira Popular

Localizado junto a duas das entradas para o recinto, os tradicionais carroceis voltam a marcar presença na Expofacic. Entre a roda gigante e os ‘carrinhos de choque’, serão 14 os divertimentos para crianças e adultos

 

Certame reconhecido pelas suas práticas sustentáveis

“Sê-lo Verde” é o nome da distinção atribuída à Expofacic – Feira Agrícola, Comercial e Industrial de Cantanhede pelo Ministério do Ambiente e que comprova o reconhecimento de sustentabilidade ambiental do certame. Nesta vertente, e mais recentemente, também a ERSUC – Resíduos Sólidos do Centro atribuiu ao certame o título de ‘Ecoevento’ pelo compromisso da entidade organizadora “em promover a redução do impacto ambiental do evento, bem como a gestão adequada de resíduos”.

O programa que atribui o galardão “Sê-lo Verde” visa “incentivar a adopção de boas-práticas ambientais, inovadoras e com impacte ambiental, social e económico nos grandes eventos, através do financiamento de medidas a adoptar para esse efeito pelas entidades promotoras”, revelou a Expofacic aquando da entrega do prémio.

Foi através de uma candidatura que a empresa municipal INOVA, entidade organizadora da Expofacic, apresentou, tendo sido aprovada e agora premiada na categoria dos eventos acima de 25 000 espectadores diários.

A distinção visa um financiamento e, em contrapartida, a “feira-festa” de Cantanhede terá de implementar várias acções orientadas para o cumprimento dos objetivos do programa “Sê-lo Verde”, nomeadamente, “a redução de impactes e o uso eficiente de recursos materiais e energéticos, a adopção de abordagens inovadoras, com recurso a novas tecnologias e integração de renováveis e materiais ecológicos e a educação e sensibilização ambiental”, adianta a organização.

As acções a implementar designam-se por “Expofacic + Renovável e Eficiente” e “Mais Expofacic, menos GEE”; “Expofacic + S”. Além disto, será implementada a campanha “Expofacic, ao visitar ajudará a reflorestar”, que pretende a redução de emissões de gases de efeito de estufa e que se irá traduzir na plantação de 8 000 árvores, na zona da freguesia da Tocha, que foi a mais afectada no concelho pelos incêndios de 2017, tendo como referência uma árvore por cada 50 entradas no certame.

Ser ‘Ecoevento’ obriga a responsabilidades acrescidas

Ainda na vertente ambiental, a atribuição do título ‘Ecoevento’ à Expofacic vai obrigar o certame a cumprir alguns critérios subjacentes a esta classificação. Desde logo, segundo a ERSUC, a Expofacic deve “evidenciar um carácter de responsabilidade e preocupação com a sustentabilidade ambiental, de modo a ser reconhecido por todos os participantes”. Para tal, é importante “criar e implementar no recinto em que decorre o evento um sistema para deposição selectiva de resíduos geradas em todos os sectores, garantindo que esses resíduos são recolhidos e encaminhados para as instalações da ERSUC, onde serão triados e posteriormente enviados para reciclagem”.

Ao aderir a este projecto, organização compromete-se a realizar acções “tendentes a consciencializar o público e demais participantes para os objectivos da iniciativa e que os incentivará a adoptar práticas e comportamentos consentâneos com esses objectivos”, adianta a Expofacic.

 

Algumas medidas ambientais na Expofacic

  • Utilização de copos reutilizáveis (distribuídos, gratuitamente aos visitantes, com água da rede pública por aguadeiros);
  • Presença de contentores para o depósito selectivo dos resíduos (incluindo na zona da restauração), com recolha diária;
  • Existência de dispensadores de água potável em três pontos diferentes do recinto;
  • Iluminação das tendas temáticas com recurso a lâmpadas Led;
  • Instalação de painéis fotovoltaicos;
  • Acções de sensibilização do público e formação de expositores para adopção de práticas e comportamentos sustentáveis.

 

Leia a reportagem completa na edição impressa de 26 de Julho