Coimbra  29 de Novembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Cantanhede aprova contas de 2020 sem dívidas a fornecedores

26 de Maio 2021 Jornal Campeão: Cantanhede aprova contas de 2020 sem dívidas a fornecedores

O Município de Cantanhede aumentou o investimento e terminou 2020 sem dívidas a fornecedores.

A autarquia “encerrou as contas de 2020 sem dívidas a fornecedores e com as facturas de empreiteiros entradas até 31 de Dezembro completamente liquidadas, situação que evidencia o acerto do planeamento, o rigor da gestão e o bom desempenho da instituição ao nível do controlo financeiro”, salientou a presidente da Câmara Municipal, Helena Teodósio.

O Executivo refere que a dívida de médio e longo prazo foi reduzida em “44,2% e a de curto prazo em 4,7%, e o aumento do investimento em 30,7% relativamente a 2019”.

Para a presidente da Câmara Municipal, as necessidades decorrentes da pandemia de covid-19 não afectaram o investimento, “a despesa de capital passou de 8,6 milhões de euros em 2019 para 11,3 milhões em 2020, mais 30,7% na verba” destinada a aquisição de terrenos para as zonas industriais e outros bens de capital.

Ainda assim, a “taxa de execução neste indicador subiu 5,8 em relação ao que estava orçamentado”, sublinha.

O aumento da taxa de execução deve-se ao “trabalho das equipas de todos os sectores da autarquia”, bem como “à rentabilização de recursos e no aproveitamento das oportunidades de financiamento comunitário, que surgiram no âmbito do Portugal 2020”, aponta a autarca.

A autarquia referiu ainda que o limite da dívida situou-se em “0,31% da média receita corrente dos últimos três anos, quando o limite máximo legal admitido é de 1,5% dessa média”.

Apesar das alterações orçamentais, devido à pandemia provocada pela covid-19 foi necessário canalizar verbas que resultaram de um aumento da quantia para a área da “saúde e da acção social, com, respectivamente, 137% e 46,6% em relação às dotações do ano anterior”, refere o Município.

Esta situação resultou na “redução de 4% da taxa de execução do orçamento da receita, que se ficou pelos 90%, face aos 94% de 2019, mas que em todo o caso não teve impacto na execução da despesa de capital, uma vez que ao nível do investimento houve um aumento de 30,7%”.